Considere a sua vida com Deus - Parte 5

FAÇA DOWNLOAD:

mp3

(Continuação)

Nós vimos na semana passada que a generosidade ou a benevolência são características que marcam a vida de um verdadeiro cristão, ou o convertido a Cristo e ao Seu Evangelho. Então,

  • Um indivíduo convertido é generoso ou benevolente, ou seja, ele pensa no próximo e, portanto, não é dominado pelo egoísmo.
  • O cristão generoso ou benevolente deseja o bem a outros, em Cristo Jesus.
  • Nós aprendemos que Deus é amor, Ele é generoso ou benevolente, portanto, o convertido verdadeiro deve se assemelhar a Deus nesse aspecto, pois a imagem Dele no instante da sua conversão foi restaurada na sua vida e, a partir daí, ela vai se aperfeiçoando conforme ele age à semelhança de Cristo.

Nós meditamos no conselho de Paulo ao seu discípulo Timóteo, um jovem pastor. (cf. 1 Timóteo 6:17-19) Geralmente a pessoa sem generosidade demonstra algumas características negativas aos olhos de Deus.

& 17 Aos que têm riquezas neste mundo ordene [aconselhe] que não sejam orgulhosos [altivos, arrogantes] e que não ponham a sua esperança nessas riquezas [na abundância de posses materiais], pois elas não dão segurança nenhuma. Que eles ponham a sua esperança em Deus, que nos dá todas as coisas em grande quantidade, para o nosso prazer! 18 Mande que façam o bem [pratiquem a Graça], que sejam ricos em boas ações, que sejam generosos e estejam prontos para repartir [manter comunhão, ajudar o necessitado da igreja] com os outros aquilo que eles têm. 19 Desse modo eles juntarão para si mesmos um tesouro que será uma base firme para o futuro. E assim conseguirão receber a vida, a verdadeira vida. (1 Tm.6:17-19 NTLH)

Vamos ver algumas características negativas de uma pessoa sem o espírito de generosidade:

  • Demonstra orgulho ou arrogância diante da orientação Divina. A pessoa não se submete aos conselhos do SENHOR.
  • A sua esperança não está na eternidade, mas nas suas posses terrenas.
  • O mesquinho não pratica a graça, aquilo que engrandece a Deus e que é útil ao próximo.
  • Suas ações de bondade não são motivadas pela graça Divina, mas pelo próprio ego que procura reconhecimento.
  • Ela não constrói uma base firme para o seu futuro no Céu, pois não junta tesouros na eternidade.

A generosidade segundo a Bíblia, a Palavra de Deus, não consiste de uma ação com caráter político, quando a pessoa procura alcançar popularidade ou reconhecimento pessoal. Diante dos aspectos negativos que vimos, nós devemos construir atitudes que agradam a Deus. Portanto:

  • Que eu me submeta às orientações do SENHOR com um espírito humilde.
  • Que a minha esperança esteja no SENHOR e na eternidade, o meu futuro lar.
  • Que eu seja um instrumento da Sua Graça, a fim de expressar a grandeza e a bondade de Deus aos homens.
  • Que eu aprenda a discernir sobre quando as minhas ações são motivadas pelo meu ego ou pela Graça Divina.
  • Que a partir da minha submissão a Deus, que eu construa uma base firme para o meu futuro no Céu.

1. Seja generoso sem ser político.

O cristão autêntico se preocupa intensamente com a sua morada na eternidade e, por isso, ele é perseverante nas ações que dão prazer a Deus. A sua vida não sofreu uma mudança a partir dos seus próprios desejos, mas da sua compreensão de que vivia afastado da presença de Deus e desalinhado com a Sua Palavra.

A sua transformação se deve à ação do Espírito de Cristo na sua vida e de acordo com as Sagradas Escrituras e, nelas, leiamos as palavras de Paulo aos Romanos:

& 1 Portanto, meus irmãos, por causa da grande misericórdia divina, peço que vocês se ofereçam completamente a Deus como um sacrifício vivo, dedicado ao seu serviço e agradável a ele. Esta é a verdadeira adoração que vocês devem oferecer a Deus. 2 Não vivam como vivem as pessoas deste mundo, mas deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente de vocês. Assim vocês conhecerão a vontade de Deus, isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a ele. (Rm.12:1,2 NTLH)

A expressão "por causa da" (... grande misericórdia Divina...), usada por Paulo, indica que algo ou alguma ação está sob a responsabilidade de alguém, em razão da justa ação Divina para com determinada pessoa, ou seja, a misericórdia Divina.

2. Que eu responda à misericórdia Divina com uma vida responsável e dedicada ao SENHOR.

O que é a misericórdia Divina? Que eu procure compreendê-la.

Antes de meditarmos sobre as ações que estão sob a nossa responsabilidade, falemos um pouco sobre a misericórdia Divina. Poucas pessoas têm a noção do sentido da misericórdia Divina. Deus se compadece das pessoas, porém, ele não dá a elas simplesmente o que desejam, mas aquilo que de fato precisam. Então, fica claro que a misericórdia de Deus sempre será executada de acordo com a Sua justiça, pois o SENHOR é justo em todos os Seus atos.

Vejamos: Uma pessoa pede a Deus uma melhor situação financeira, porém, lhe falta juízo para com várias áreas da sua vida. Eu pergunto: "O que essa pessoa realmente precisa, de dinheiro ou de juízo?"

Então, Deus faz aproximar dela pessoas tementes a Ele, a fim de lhe apresentar princípios de conduta cristã, os quais podem lhe dar juízo para lidar com a vida e tudo o que a envolve, inclusive as finanças. Ela tem duas opções: Aceitar os conselhos ou rejeitá-los, para continuar firme no seu desejo de uma situação financeiramente melhor.

Infelizmente, muitas pessoas não entendem a aproximação de alguém que é enviado por Deus para lhes ajudar como um ato da misericórdia Divina, porém, mas como alguém que quer destruir seus sonhos pessoais. Ele não aceita a correção Divina e dificulta as coisas, tanto para Deus como para si mesmo.

O livro de Provérbios nos diz o seguinte:

& Quem é repreendido [desaprovado por Deus] muitas vezes e teima [cria dificuldade para o trabalho de Deus] em não se corrigir cairá de repente na desgraça e não poderá escapar [se tornará incurável]. (Pv.29:1 NTLH)

Nós temos muitos exemplos nas Escrituras de pessoas que foram reprovadas e repreendidas por Deus, porém, elas preferiram seguir o curso de vida que escolheram para si e se tornaram pessoas incuráveis.

Peguemos por exemplo três exemplos: Caim, Corá e Saul. No lugar onde eles estão não poderão jamais dizer que lhes faltou a misericórdia Divina, pois o SENHOR falou várias e várias vezes com eles, a fim de corrigi-los. Todavia, eles e tantos outros endureceram seus corações e, de repente, se viram em desgraça e lançados eternamente no inferno.

Eu reconheço que Deus é paciente e quem sou eu para limitar ou medir o Seu infinito amor? Entretanto, nós não devemos tornar esse tipo de pensamento em um princípio que venha reger nossas vidas, pois na medida em que nós nos afastamos de Deus, podemos acostumar com a situação ao ponto em que não há mais retorno!

3. Que eu cultive ações responsáveis em resposta à misericórdia Divina.

  • Que eu não despreze o ensino ou doutrina apostólica.
  • Que a minha vida seja oferecida a Deus, para fazer a Sua vontade de modo que O agrade.
  • Que eu não viva pelos princípios do mundanismo.
  • Que eu aceite a transformação Divina, a partir do meu interior para o exterior.
  • Que eu procure conhecer a vontade Divina, ou seja, o que é útil, que expressa plenitude e que é agradável a Deus.

Continuaremos na próxima semana, se Deus permitir.

Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail