Tomando decisões corretas em um mundo trapaceiro - Parte 6: Cuidado com a preocupação nas suas decisões!

FAÇA DOWNLOAD:

mp3

Mateus 6:33,34

Texto Bíblico:

& 33 Portanto, ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas. 34 Por isso, não fiquem preocupados com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã trará as suas próprias preocupações. Para cada dia bastam as suas próprias dificuldades. (Mt.6:33,34 NTLH)

Hoje nós vamos recordar os princípios que nos ajudam a avaliarmos as nossas decisões e a importância de sermos obedientes aos ensinamentos de Jesus. Além do mais, procuraremos entender as palavras do nosso Mestre (nosso texto base) sobre a preocupação (ou ansiedade), pois ela pode nos levar a tomar decisões erradas em um mundo trapaceiro.

Eu tenho compartilhado com você alguns princípios que nos ajudam a avaliarmos as nossas decisões neste mundo trapaceiro. Portanto, ao tomar decisões:

  1. Que eu não contrarie as Leis Morais dadas por Deus ao Seu povo (Os Dez Mandamentos – Êx.20:1-17)
  2. Que eu não seja egoísta (pensando somente em mim), mas que eu reflita se o que pretendo fazer trará benefícios à minha família. Que eu procure não colocar a minha pessoa e a minha família sob riscos espirituais, morais e materiais.
  3. Que eu não coloque as minhas escolhas acima de Deus e da minha família, para não me tornar manipulado e escravo das minhas decisões.
  4. Que eu entenda que há coisas que Deus não me desaprova, porém, que eu não use a permissão que me é dada pelo SENHOR para praticar o que não me condena diante daqueles que não têm a mesma liberdade que tenho.
  5. Que eu procure honrar a Deus, ou seja, que o alvo da minha motivação não seja o prestígio e os ganhos pessoais, mas que as pessoas possam ver que sou temente ao SENHOR, aprovado por Ele e que procuro expressar a realidade da Sua existência em tudo o que faço. (veja Mt.5:16; Rm.12:17; 2 Co.8:21)

1. Que eu procure entender a importância de ouvir e obedecer aos ensinamentos de Jesus.

Por que eu devo me esforçar para obedecer aos ensinamentos de Jesus? Eu gostaria que você lesse comigo dois versos bíblicos, nos quais Jesus expressa duas verdades claras ou explícitas, as quais são acompanhadas de promessas divinas. Vejamos:

& 21 A pessoa que aceita e obedece aos meus mandamentos prova que me ama. E a pessoa que me ama será amada pelo meu Pai, e eu também a amarei e lhe mostrarei quem sou. 23 A pessoa que me ama obedecerá à minha mensagem, e o meu Pai a amará. E o meu Pai e eu viremos viver com ela. (Jo.14:21,23 NTLH)

Descubramos as verdades e promessas divinas nestes dois versos das Escrituras, por meio de algumas questões:

  • (v.21) Quem é a pessoa que dá provas de que realmente ama a Jesus? É aquela que aceita e obedece ao que Ele pede. Em sequência, o que essa pessoa desfrutará?
  • (v.23) Qual é a característica dada por Jesus à pessoa que o ama? A vida de obediência. Em sequência, o que essa pessoa desfrutará de Deus na sua vida?

Portanto, como cristão,

  • Que eu dê provas de que realmente amo a Jesus, procurando ser obediente ao que Ele ensina e pede, pois assim, serei amado por Deus, por Cristo e O conhecerei intimamente cada vez mais;
  • Que eu creia que Jesus Se revela àquele que demonstra disposição para obedecê-Lo;
  • Que eu creia que a pessoa obediente é habitada por Deus e por Jesus; então, que eu procure obedecer aos ensinamentos de Cristo Jesus.

2. O ensinamento de Jesus: A preocupação o impede de colocar o Reino de Deus em primeiro lugar na sua vida.

Uma vez que eu aprendi que a obediência a Jesus fará com que eu O conheça mais e mais (ou intimamente melhor) e que me transforma em um templo para a Sua habitação, que eu não despreze as Suas propostas e ensinamentos!

Que eu adquira a compreensão de que a vida de Deus dentro de mim me oferece recursos, os quais fortalecerão a minha alma e me conduzirão pelo caminho correto. Serei uma pessoa aprovada pelo SENHOR.

Jesus disse:

& 33 Portanto, ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas. 34 Por isso, não fiquem preocupados com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã trará as suas próprias preocupações. Para cada dia bastam as suas próprias dificuldades. (Mt.6:33,34 NTLH)

Jesus não está dizendo que não posso “pensar” sobre o futuro, mas que eu não devo ser absorvido pelas “aflições” em relação às coisas futuras (v.34). Por quê? Porque a minha inquietação fará com que eu perca a confiança na direção ou orientação divina, ou seja, eu deixo de colocar o Reino de Deus (Seu governo, orientações e direções) em primeiro lugar em minha vida (v.33).

Jesus disse que a vida é cheia de dificuldades e que bastam as que temos em cada dia (v.34). Então, sempre é bom salientar que a vida com Deus não nos isenta de dificuldades e preocupações diárias. (v.34)

Sendo assim, que eu aprenda a controlar as minhas preocupações com relação ao futuro e, da mesma forma, que eu aprenda a me colocar sob o governo divino (o Reino de Deus e aquilo que Ele quer) diariamente com a confiança de (crendo) que Dele receberei o que realmente preciso. (v.33)

Pensar sobre o futuro não é o problema. Todos pensam, Jesus pensou, os apóstolos pensaram e todos nós pensamos. Mas, como já mencionei, a preocupação fará com que não coloquemos o Reino de Deus em primeiro lugar em nossas vidas e, desse modo, não teremos confiança nos planos de Deus no presente. Então, como creremos Nele em relação ao futuro?

Além do mais, a aflição faz com que tomemos atitudes impulsivas, precipitadas e egoístas, de acordo com os nossos interesses, sem a influência da vida verdadeira ou de Deus. (veja Mt.10:39)

Certa vez, Jesus disse a Pedro que Satanás havia conseguido de Deus a permissão para colocá-lo à prova, tanto ele como os outros discípulos. Porém, Jesus, em vez de Se afligir com a revelação divina, orou por Pedro para que não lhe faltasse fé (confiança, fidelidade e obediência a Deus) e para que animasse os outros irmãos (cf. Lc.22:31,32).

Nas entrelinhas, Jesus estava dizendo a Pedro que, quando esse momento viesse, ele deveria agir dentro da situação pela fé (com confiança, fidelidade e obediência a Deus), encorajando os outros irmãos e, enquanto isso, Deus estaria realizando os Seus propósitos e suprindo suas necessidades reais. Pedro deveria se preocupar com o Reino de Deus e deixar para Deus a questão de abrir ou fechar as portas. (sobre esse assunto, veja a meditação anterior)

No jardim do Getsêmani, Jesus viu todo o Seu sofrimento na cruz e o abandono que sofreria da parte do Pai, mas, em vez de Se afligir quanto ao que iria sofrer, Ele orou para que a vontade de Deus fosse feita (cf. Mt.26:39).

Existe algo que devemos pensar seriamente: não é fácil saber qual é a plena vontade de Deus em todas as situações, pois, em parte, conhecemos (o que está relatado na Bíblia), e em parte, não (o que Deus não revela) (cf. Dt.29:29). Então, como eu disse na semana passada, Deus pode nos mostrar em que circunstância nós estaremos no futuro, mas nem sempre mostra o que enfrentaremos naquele período de tempo.

É impossível conhecermos a vontade Deus integralmente! O importante é que, em qualquer situação, nossas mentes sejam transformadas e renovadas pela Palavra de Deus (a vontade divina já descrita) e, desse modo, “conheceremos” a vontade Deus, isto é, o que é bom, perfeito e agradável a Ele (cf. Rm.12:2) Como é importante termos “fome e sede” pela vontade de Deus (veja Mt.5:6) e tomarmos cuidado com a ansiedade!

3. É impossível não se preocupar, mas não tenha a mesma atitude dos pagãos.

Segundo a sabedoria divina, “as preocupações (ansiedades) roubam a felicidade da gente” (cf. Pv.12:25), mas a vontade de Deus, segundo os ensinamentos de Jesus, nos deixa satisfeitos (alimentados, saciados e nutridos – veja Sl.23). Uma pessoa satisfeita e encorajada sempre terá melhores condições espirituais e mentais nas suas decisões.

Observemos o conselho de Pedro:

& Entreguem (coloquem, lancem) todas as suas preocupações a Deus, pois ele cuida (está cuidando) de vocês. (1 Pe.5:7 NTLH)

Então, segundo o apóstolo Pedro, as preocupações existem e não há nada de errado em nos preocupar. O próprio Jesus disse que, no dia a dia, há preocupações, devido às dificuldades que enfrentamos (cf. Mt.6:34). No entanto, as preocupações devem nos fazer enxergar dois caminhos, ou duas portas: a que se refere ao Reino de Deus (o que Deus quer), ou aquela que nos leva aos nossos interesses pessoais.

Jesus disse que os pagãos estão sempre procurando em primeiro lugar seus interesses pessoais, e isso se deve às suas vidas vazias e afastadas de Deus (não habitados por Deus). Eles não conhecem verdadeiramente a Deus, pois o conhecimento do SENHOR cresce somente na vida dos que O obedecem.

Portanto, a característica da mente pagã é a falta do conhecimento de Deus, a aflição, a angústia, a preocupação ou a ansiedade para conseguir, a todo o custo, o que deseja. Entretanto, a característica dos filhos de Deus é a compreensão e a confiança de que Ele está cuidando da sua vida e, por isso, eles buscam o Reino de Deus em primeiro lugar. Eles sabem que o SENHOR os guiará em todas as situações e lhes dará o que é valioso e necessário às suas vidas.

Observe a orientação de Jesus aos Seus discípulos:

& 25 — Por isso eu digo a vocês: não se preocupem com a comida e com a bebida que precisam para viver nem com a roupa que precisam para se vestir. Afinal, será que a vida não é mais importante do que a comida? E será que o corpo não é mais importante do que as roupas? 26 Vejam os passarinhos que voam pelo céu: eles não semeiam, não colhem, nem guardam comida em depósitos. No entanto, o Pai de vocês, que está no céu, dá de comer a eles. Será que vocês não valem muito mais do que os passarinhos? 27 E nenhum de vocês pode encompridar a sua vida, por mais que se preocupe com isso. 28 — E por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem as flores do campo: elas não trabalham, nem fazem roupas para si mesmas. 29 Mas eu afirmo a vocês que nem mesmo Salomão, sendo tão rico, usava roupas tão bonitas como essas flores. 30 É Deus quem veste a erva do campo, que hoje dá flor e amanhã desaparece, queimada no forno. Então é claro que ele vestirá também vocês, que têm uma fé tão pequena! 31 Portanto, não fiquem preocupados, perguntando: “Onde é que vamos arranjar comida?” ou “Onde é que vamos arranjar bebida? ” ou “Onde é que vamos arranjar roupas?” 32 Pois os pagãos é que estão sempre procurando essas coisas. O Pai de vocês, que está no céu, sabe que vocês precisam de tudo isso. (Mt.6:25-32 NTLH)

A preocupação sempre nos conduzirá a uma ou a outra ação: a de confiar em Deus ou ao desespero como à depressão. Entro em desespero para que eu consiga o que eu quero ou em depressão, quando nada acontece do modo como queria. Com quem eu me pareço quando olho ao meu redor? Com os pagãos ou com os filhos de Deus, segundo a orientação de Jesus?

Que nós não fiquemos esperando um ”WHATSAPP” da parte de Deus, para nos dizer “tim tim por tim tim” sobre o que devemos fazer diante das nossas preocupações. Se uma porta se abre, tenha paciência e avalie a sua decisão ao querer passar por ela.

Quando uma porta se fecha, também tenha calma, paciência, e não tente colocá-la abaixo. Avalie sobre como você agirá diante de tal fato. Tenha Deus como Dirigente da sua vida, faça o que Ele quer (o que já está escrito na Bíblia) e não saia afirmando que o Diabo o impediu de alcançar o que queria. Lembre-se que só Deus conhece o que desconhecemos. Confiemos Nele e andemos sem fanatismos.

Abraham Lincoln disse o seguinte em uma de suas orações: “Senhor, minha preocupação não é se o SENHOR está do meu lado; minha maior preocupação é estar ao Teu lado, porque Tu és sempre certo.”

Não é pecado preocupar-se, mas o erro está em tomarmos decisões tendo como base a ansiedade (a aflição, a preocupação), em vez do Governo de Deus. Que Deus nos ajude nesse caminho árduo de vencermos a nós mesmos!

Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail