Obedecendo às ordens de Cristo

FAÇA DOWNLOAD:

mp3

João 2: 5

Texto Bíblico:

“Então ela disse aos empregados: “Façam o que ele mandar” (João 2: 5 NTLH).

O contexto desta passagem bíblica é bem conhecido de todos nós, quando as Escrituras Sagradas relatam uma festa de casamento em Caná, na região da Galileia, e Jesus e os seus primeiros discípulos e Maria estavam presentes. Embora a Bíblia não diga, mas o fato de estarem lá, sugere que o casamento pode ter sido de algum parente ou amigo chegado da família. Então, para entendermos melhor, vamos ler os versículos 1 e 2 do mesmo capítulo do Evangelho de João:

“Dois dias depois, houve um casamento no povoado de Caná, na região da Galileia, e a mãe de Jesus estava ali. Jesus e os seus discípulos também tinham sido convidados para o casamento” (Jo. 2: 1, 2 NTLH).

A celebração de um casamento em Israel podia se estender por até uma semana, e os banquetes eram preparados para muitos convidados. Muitas vezes, a cidade toda era convidada, todos podiam comparecer e era considerado um insulto recusar o convite para um casamento; todo o gasto da festa recaía sobre o noivo.

Embora a Bíblia não relate o motivo, mas, por alguma razão, ou por falta de provisão ou planejamento, ou se convidaram muito mais pessoas do que podiam custear, mas o fato é que o vinho, que fazia parte da cultura daquele povo e de toda festa de casamento, havia acabado, e isso representava um vexame para o noivo, uma falta grave em relação às regras da hospitalidade, podendo até expor o noivo a um potencial processo judicial movido pelos parentes da noiva. E Maria, com uma preocupação própria de uma senhora, por sua maturidade e espírito gentil, entende que deve informar seu Filho Jesus que existe tal necessidade, talvez para que Ele faça alguma coisa.

Então, ela lhe diz:

“O vinho acabou”. (Jo. 2: 3 NTLH).

Que fique claro que não havia nada de errado ela ter dito isso. Contudo, Jesus, que não vê como o homem comum vê, Ele percebeu que Maria estava colocando à frente seu relacionamento materno, em um momento em que começava justamente a ser necessário que tal parentesco passasse para um segundo plano, pois Jesus estava dando início ao Seu ministério e Maria tinha que entender que Ele veio como o Messias, o Salvador e era assim que Maria devia enxergá-Lo e não simplesmente como seu filho.

A história acabou confirmando o quanto isso se tornaria necessário. Pois, a igreja de Roma, mais tarde, distorcendo as Escrituras Sagradas, transformou Maria em uma grande medianeira ou mediadora entre Deus e o homem e muitas de suas orações costumam ser dirigidas a ela. Tem-se até mesmo ensinado a pedir a Maria para que ela use de sua autoridade maternal sobre seu Filho, para se alcançar alguma coisa.

Com todo respeito, mas tal doutrina ou dogma afronta o que a Palavra de Deus ensina:

“Pois existe um só Deus e uma só pessoa que une Deus com os seres humanos, o ser humano Cristo Jesus” (1Timóteo 2:5 NTLH).

Portanto, foi correto que Jesus procurasse deter qualquer coisa que tendesse depois a encorajar, como veio a acontecer, a adoração a Maria, ou “mariolatria”, ou seja, dar a uma pessoa qualidades ou características que pertencem somente a Deus.

Jesus, portanto, sentiu-se obrigado a disser:

“_Não é preciso que a senhora diga o que eu devo fazer” (Jo 2: 4NTLH).

Pelo entendimento comum, parece que Jesus está dando uma resposta mal-educada, grosseira, indelicada, mas não é verdade, Ele apenas está dizendo: “Eu não posso agir somente para te satisfazer, ou simplesmente para resolver um problema, na condição de seu filho milagreiro. Se eu tiver de realizar milagres, terei de fazê-lo como Filho de Deus; os milagres não podem ser feitos como se eu fosse apenas teu filho, mas devem ter outro caráter. Portanto, “Não é preciso que a senhora diga o que eu devo fazer”. Então Jesus explica a razão:

“Ainda não chegou a minha hora” ( Jo 2: 4b NTLH).

Quantas vezes pedimos e até exigimos de Deus a Sua providência numa determinada situação, porque, simplesmente, queremos ter nossos problemas resolvidos e não queremos ter paciência para esperar a hora de Deus, e, se não acontece como desejamos, logo nos revoltamos ou desanimamos, sem avaliar corretamente a situação e qual deve ser nosso comportamento diante dela. Simplesmente nós queremos que Deus resolva e ponto final!

Jamais devemos esquecer que, todo aquele que vai até Jesus, tem que aprender que existem certas condições, que não é simplesmente, despejar suas preocupações, seus anseios aos Seus pés e esperar que Ele resolva logo. Não é assim. Existem condições pré-estabelecidas no meu relacionamento com Jesus, quando você vai até Ele, você precisa saber que deve se submeter à Sua vontade, aos Seus propósitos, ao Seu tempo, não é do jeito que você quer, Deus tem o Seu momento, os Seus alvos e cabe a nós submetermos aos Seus planos.

Maria entendeu o seu momento, e a quem ela deveria obedecer, e observe sua sabedoria ao dar ordem aos criados que ali estavam para servir na festa. Reconhecendo que se antecipara ao Filho, ela trata agora de indicar que eles devem obedecer somente a Ele. De maneira bastante clara e bondosa, ela diz:

“Façam o que ele mandar” (Jo. 2: 5 NTLH).

Ou seja: “Não façam qualquer pergunta, seja por curiosidade, seja por dúvida; não procurem desafiar sua autoridade; não lhe cobrem coisa alguma, Ele sabe muito bem o que está fazendo; Ele sabe tudo e muito mais do que todos nós. Cumprem as Suas ordens e esperem até que Ele fale; então, sejam prestativos em obedecer a cada palavra que Ele falar”.

Agora uma pergunta: Maria sabia o que Jesus iria fazer? Ela sabia que Jesus iria transformar água em vinho?

Não, Maria não sabia, mas ela confiava em Jesus, ela sabia bem quem era o Filho que ela tinha gerado e quem era o Pai daquele Filho. Então ela disse: “Façam o que ele mandar”.

Então meus irmãos, o que Jesus mandar vocês devem fazer, porque Ele sabe muito bem o que está falando.

Maria, ao entender e aceitar o que Jesus disse, deve ter falado com tanta convicção, que sua atitude deve ter causado uma impressão forte sobre os servos, pois fizeram tudo o que ela recomendou. Não seria por qualquer motivo que um criado da casa iria deixar que um convidado se colocasse na posição de patrão, Maria era apenas uma convidada da festa.

A minha intenção nesta noite é que aprendamos que em qualquer circunstância de nossas vidas, sejam boas ou más, devemos nos colocar atrás de Cristo e nunca procurarmos correr à Sua frente, nunca buscarmos forçar a Sua mão, nunca tentá-Lo, como fizeram aqueles que tentaram Deus no deserto exigindo que fizesse o que eles desejavam, e o resultado foi que todos foram mortos daquela geração. Mas, sim, em humilde obediência, assumir como lema de nossas vidas, como um princípio, de agora em diante, estas palavras:

“Façam o que ele mandar”.

Então, diante disso, o primeiro ponto é:

1) O que somos ordenados a fazer?

Em uma única palavra, OBEDECER.

Quero que, primeiramente percebam que estas palavras, “Façam o que ele mandar” foram ditas não aos discípulos de Cristo, mas aos criados, ou servos, que, no idioma grego, são aqui chamados de “diakonois”, pessoas encarregadas de servir às mesas e atender os convidados. O que hoje seriam os garçons.

Maria não pediu aos criados ou servos, que não atendessem o seu superior, ou no caso o dirigente da festa, ou dos garçons. Não lhes foi ordenado que abandonassem seu posto de servos. Eram servos e deveriam, assim, continuar a servir. Todavia, deveriam reconhecer Cristo como seu Mestre maior, sem abdicar de sua obediência ao seu supervisor.

Maria não disse aos criados “coloquem esses jarros no chão” ou “parem de carregar esses pratos”, mas, sim, enquanto continuavam a fazer o que estavam fazendo, ela disse: “façam o que ele mandar”, ou seja, que esses servos, mesmo permanecendo onde estavam, deveriam, porém, ser obedientes a Cristo.

Porém, esta obediência deve ser, em primeiro lugar, uma “OBEDIÊNCIA PREPARADA”. Maria fez que as mentes daqueles servos se preparassem para fazer aquilo que Cristo lhes ordenaria.

Nenhum homem irá obedecer a Cristo nem vai continuar a fazer isso repentinamente. Há uma ponderação, uma consideração, precisa haver um conhecimento pleno e cuidadoso de qual seja Sua vontade e uma preparação do coração de modo que, independentemente de qual seja esta vontade, venha a ser realizada tão logo seja conhecida.

Essa história que dizem: “dá o passo da fé Irmão”, sem ter a noção do que está fazendo, sem conhecer qual a vontade de Deus, e o que diz as Escrituras Sagradas, não é assim que se obedece a Deus.

Em um primeiro momento, aqueles servos nada fizeram. Os convidados queriam vinho, mas os servos não foram a Jesus e disseram: “Mestre, precisamos de vinho”. Não, eles esperaram que Jesus ordenasse que os potes fossem cheios de água, e então, os encheram até a borda, mas nada fizeram antes que lhes ordenasse.

Em segundo lugar, que sua obediência seja uma “OBEDIÊNCIA PERFEITA”. É a desobediência, e não a obediência, que nos leva a querer escolher os mandamentos de Cristo que nos convenha a obedecer.

Se você pensar, como alguns, “eu farei aquilo que Cristo me ordena”, mas acaba escolhendo o que é conveniente pra você, na verdade está dizendo “eu não farei aquilo que Cristo me ordena, mas somente aquilo que me agrada”. Esta não é uma obediência verdadeira, mas sim uma desobediência. Portanto, tomem cuidado para não jogar na lama qualquer mandamento ou preceito do Senhor, seja ele qual for, porque a sua e a minha tendência é escolher aquilo que mais me agrada.

Em terceiro lugar, que sua obediência seja uma “OBEDIÊNCIA PRÁTICA”: Não fique pensando por muito tempo, esperando que a ordem possa estar bem gravada em sua mente ou então, que surja uma ocasião mais conveniente de executá-la. Faça logo o que Deus está mandando. Um dos grandes males de nossa época, é ficar questionando uma ordem direta de Cristo, indagando: “Mas qual será a consequência disso?” Saiba meu irmão, que isso não cabe a você saber a consequência, mas Deus espera de você a obediência.

Vejam o que o Davi disse:

“Com toda a pressa e sem demora, procuro obedecer aos Teus mandamentos” (Salmo 119:60 NTLH).

Em quarto lugar, que ela seja uma “OBEDIÊNCIA PESSOAL”.

Em nossos dias muitas coisas são feitas por meio de procuração. E a piedade é uma delas. Vamos imaginar uma situação: João está passando por uma grande necessidade, Pedro ouve falar disso e fica bastante tocado, então pede para Joana que ajude o João. Depois Pedro vai dormir tranquilo, ciente que praticou uma boa ação. O que Pedro fez? Ele simplesmente fez com que João chegasse até Joana somente. Feito isso, deu-se por satisfeito.

Agora, você gostaria que o Senhor, viesse até você, naquele previsto último dia e dissesse: “Tive fome e você me enviou a outra pessoa” ou “Tive sede e você me indicou como fonte uma outra igreja, para eu ir lá e beber?” Certamente que não. Estamos sempre transferindo nossas responsabilidades a terceiros, seja para orar, evangelizar, discipular, fortalecer pessoas, e ainda por cima nos damos por satisfeitos.

Em quinto lugar, que sua obediência seja uma “OBEDIÊNCIA IMEDIATA”.

Esteja sempre pronto para obedecer, não está em nós questionar, não está em nós postergar quando chega uma ordem, um mandamento de Cristo, mas está em nós servi-Lo com todo o desejo de nosso coração. O que temos feito com o que ouvimos aos domingos, em cada pregação? Procuramos guardar, reter, considerar e obedecer a tudo o que o Senhor diz? Ou é só mais uma pregação, e no domingo que vem tem outra, e assim vai. Cuidado, porque pode não ter outro domingo pra você!

Agora, vamos para uma outra questão:

2) Por que devemos obedecer?

Por que aqueles servos na festa deveriam fazer aquilo que Jesus lhes ordenara? Ou melhor, por que você e eu devemos obedecer ao que Jesus nos ordena?

Em primeiro lugar, porque Cristo é, por natureza, digno de obediência. Jesus é Deus. Ele nos chamou, nos escolheu para sermos Dele, e é uma honra poder servi-Lo.

Em segundo lugar, porque quando servimos a Deus e ao próximo, conforme a Sua vontade e não a nossa, nos assemelhamos à Sua imagem, pois Cristo é o nosso Mestre e exemplo a ser seguido.

Certa vez Jesus perguntou aos Seus discípulos:

“_ Será que vocês também querem ir embora?” (João 6: 67 NTLH).

Jesus disse isso, porque muitos de Seus seguidores rejeitaram os Seus ensinamentos, julgando muito difíceis de aceitar e, então, O abandonaram, mas Simão Pedro respondeu:

“Quem é que nós vamos seguir? O Senhor tem as Palavras que dão vida Eterna! E nós cremos e sabemos que o Senhor é o Santo que Deus enviou” (João 6: 68, 69 NTLH).

Seguir a Cristo tem um alto preço. Os seguidores que ouviram os Seus ensinamentos se assustaram com a Sua mensagem, achando-a muito dura e difícil de ser aceita, e O abandonaram.

Muitos cristãos que estão dentro de igrejas também rejeitam os ensinamentos de Cristo por não suportar o alto preço do discipulado, porque é necessário morrer para si mesmos, renunciar os seus próprios interesses, abandonar sua autossuficiência, o seu orgulho e egoísmo, para então, trilhar o caminho da obediência para alcançar a Vida Eterna. Não existe outra alternativa, nem outro caminho, somente pela obediência à Palavra de Deus é que alcançaremos a aprovação do Senhor e por conseguinte a Vida Eterna.

Muito bem, mas vamos supor que façamos tudo isso que Cristo nos ordena. E daí? O que acontece?

O primeiro sentimento que você terá ao obedecer a uma ordem de Cristo é, além da satisfação plena, é o de estar livre de uma grande responsabilidade, porque quando o Senhor ordena algo, Ele espera que você cumpra. Um servo que faz tudo aquilo que seu mestre lhe ordena, pode até temer as consequências, mas ele dirá: “Eu fiz o que o meu senhor me ordenou”.

Não há como viver a verdadeira fé senão fazendo o que Jesus ordena. A fé que se baseia apenas em um credo, ou em costume qualquer não serve para nada. A fé bíblica faz aquilo que o Senhor ordena que seja feito e se deleita em fazer, porque a fé não pode ser satisfeita sem dar frutos, e o fruto da fé é a obediência Àquele em quem cremos.

Finalmente, acredito que aprender a obedecer é um meio de nos preparar para entrarmos no céu, pois no céu não haverá outra vontade senão a de Deus! A vontade dos servos de Cristo é somente servi-Lo e se deleitar Nele.

Portanto, obedeça ao que o Senhor diz, e Ele confortará seu coração. Obedeça ao que Ele manda, e Ele aperfeiçoará sua vida. Esteja com Ele em Sua obra, e você estará com Ele na Eternidade para todo o sempre! Amém!!!

Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail