A fé é mais do que acreditar - Parte 45: A fé de Gideão (10) - Os valentes de Deus

FAÇA DOWNLOAD:

mp3

Hebreus 11:32

Texto Bíblico:

& O que mais posso dizer? O tempo é pouco para falar de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas. (Hb.11:32 NTLH)

Eu tenho compartilhado sobre a fé de Gideão durante algumas semanas, ou seja, como Deus trabalhou na sua vida, a fim de que ele saísse da condição de um homem tímido para se tornar em alguém valente, um exemplo de homem de fé à sua geração. Deus o escolheu para formar um exército, a fim de lutar e derrotar os inimigos do Seu povo.

Porém, antes de lutar contra os inimigos que matavam pessoas, roubavam suas provisões e destruíam os campos de produção de grãos, deixando o povo de Deus em uma condição de miséria, o SENHOR precisou trabalhar primeiro em sua alma, ou seja, Gideão precisava aprender a lutar contra si mesmo, para depois enfrentar seus inimigos. Portanto, Gideão foi convocado por Deus para ser um soldado que lutaria contra si mesmo, e depois, contra os inimigos do seu povo.

Essas duas áreas de batalha na vida dos homens e mulheres de Deus são constantes, e não há como fugir delas. O tempo todo nós temos que aprender a lutar contra nós mesmos, ou seja, contra os sentimentos e desejos que se opõem tanto à Verdade como à vontade de Deus, a fim de nos opormos às influências e aos ataques do “Maligno”.

Saiba que, na sua caminhada, o cristão verdadeiro terá que enfrentar muitos inimigos, “visíveis e invisíveis”, ou seja, os seres espirituais do mal (demônios) e os anseios da sua própria alma – a sua natureza humana. Todo cristão verdadeiro reconhece ser um soldado de Cristo e que está diante de grandes batalhas. Então, como podemos nos tornar guerreiros valentes no Reino de Deus?

O texto histórico para a nossa meditação de hoje está em Juízes 7:1-7. Entenda o texto bíblico a partir dessa breve explicação:

  • Deus ordenou a Gideão que mandasse voltar para suas casas os medrosos e tímidos, porque Ele não poderia agir através deles, por causa do espírito de covardia e medo. Dessa “peneira”, dos 32 mil homens, 22 mil voltaram e 10 mil ficaram com ele.
  • A seguir, Deus provou os 10 mil que ficaram na hora de beber água. Os que estavam vigilantes, bebiam a água olhando para os lados, vigiando, e 300 homens agiram desse modo. Os 9.700 homens restantes, sem atenção ou vigilância alguma, ajoelharam-se para saciar a sede.
  • Entenda que os 300 homens estavam preocupados em manterem-se vivos para lutar a batalha proposta por Deus a Gideão, na qual eles poderiam perder suas próprias vidas. Os milhares de outros se preocuparam em matar a sede e não em se manterem íntegros para a luta.

Vamos ler, no Velho Testamento, o texto bíblico de Juízes 7:1-7:

& 1 Jerubaal, isto é, Gideão, e todos os homens que estavam com ele se levantaram de madrugada e foram acampar perto da fonte de Harode. O acampamento dos midianitas ficava no vale, no lado norte, perto do monte Moré. 2 O SENHOR Deus disse a Gideão: — Você tem gente demais, e por isso não posso deixar que vocês derrotem os midianitas. Se eu deixasse, vocês poderiam pensar que venceram sem a minha ajuda. 3 Anuncie ao povo o seguinte: “Quem estiver com medo, que saia do monte Gilboa e volte para casa.” Gideão anunciou, e vinte e dois mil homens voltaram. Mas dez mil ficaram. 4 E o SENHOR disse a Gideão: — Ainda é gente demais. Leve todos até as águas, e ali eu separarei os que irão com você. Se eu disser que um homem deve ir com você, ele irá. Se disser que outro não deve ir, ele não irá. 5 Aí Gideão fez com que os homens descessem até as águas. E o SENHOR Deus lhe disse: — Todos os homens que lamberem a água com a língua, como fazem os cachorros, devem ser separados dos que se ajoelharem para beber. 6 Trezentos homens juntaram água nas mãos e lamberam. Todos os outros se ajoelharam para beber. 7 Aí o SENHOR disse a Gideão: — Com estes trezentos homens que lamberam a água, eu libertarei vocês e lhes darei a vitória sobre os midianitas. Diga aos outros que voltem para casa. (Jz.7:1-7 NTLH)

O texto não é difícil para ser entendido, mas como é custoso de ser aceito, pelo modo como Deus realiza os Seus propósitos, pois quando pensamos em um exército, logo imaginamos em milhares de homens preparados para uma grande luta ou batalha. Deus espera que o nosso coração esteja em Suas mãos e que confiemos Nele.

1. Siga sempre as orientações de Deus, ainda que lhes pareçam conflitantes.

Gideão teria que enfrentar homens poderosos e acostumados a táticas de guerrilhas. Quais estratégias ele deveria usar para vencê-los? Como Gideão e seus soldados deveriam se preparar para derrotá-los? Que armamento eles deveriam usar?

O que Deus pediu a ele foi que confiasse nas Suas orientações e que enfrentasse a situação, segundo os Seus termos. Aí é que reside a dificuldade, pois o ser humano não pensa como Deus pensa e tem por hábito desprezar os Seus caminhos. Antes, ele procura analisar uma determinada situação e tentar resolvê-la por meio de uma série de passos ou regras, ou seja, pelo uso de processos mentais ou comportamentais.

2. Não se iluda com temas fantasiosos.

Hoje em dia, esse processo pode ser visto em muitos livros cristãos e pregações, que não passam de conselhos de autoajuda. Então, nós encontramos temas positivistas, como: “Os sete passos para se tornar rico!”, “Como se livrar da depressão em 14 dias!”, “Passos para se tornar uma pessoa positiva e corajosa!”, “Como realizar os seus sonhos”, “Como ser a pessoa que você sempre desejou ser!”, “Como ter uma fé vitoriosa e vencer os seus problemas!” etc.

Esses temas encantam as pessoas e fazem com que elas se sintam motivadas a alcançarem seus anseios pessoais, porém, depois de um breve tempo, voltam a expressar o mesmo estado de fragilidade mental e emocional em que estavam e até pior, devido à desilusão ou desapontamento. Perdem a esperança e nunca aprendem o que a fé realmente é!

O “espírito do engano”, o qual é latente ou age de modo oculto em nossos dias, sempre apresenta o que de grande você pode alcançar ou obter, sem lhe dizer a verdade sobre a sua “condição espiritual” diante de Deus.

Com toda a certeza, eu afirmo a você o seguinte: todo aquele que alcança o que quer sem uma condição espiritual aprovada por Deus, atinge suas metas pessoais por meio do engano, artimanhas próprias, e não por princípios adequados e corretos, os quais se alinham à Verdade divina.

3. Tenha coragem para se tornar a pessoa idealizada por Deus.

Gideão não escolheu ser a pessoa na qual estava se tornando, mas Deus o escolheu para ser quem ele deveria ser. Para isso, ele deveria seguir as orientações divinas. O “espírito do engano” apresenta a ideia oposta: “seja a pessoa que você quer ser e siga esses princípios bíblicos”, logicamente, textos retirados dos seus contextos e distorcidos.

No início da sua experiência com Deus, Gideão foi chamado de “homem valente” ou “poderoso guerreiro” (cf. Jz 6:16), mas, certamente, ele não era um homem corajoso, destemido, resoluto, intrépido, bravo e arrojado. O contexto bíblico da sua história nos diz sobre como ele se tornou esse tipo de homem.

Então, eu deveria criar a “campanha do homem valente”, só porque isso está escrito na Bíblia? Porque Deus chamou Gideão de valente, isso significa que todos os filhos de Deus são valentes? Claro que não! Por acaso, uma campanha de oração fará com que sejamos valentes no Reino de Deus? Claro que não! O fato de você estar em todas as reuniões da igreja o denomina como alguém valente? Claro que não! A leitura da diária da Bíblia ou o seu conhecimento bíblico o torna valente? Claro que não! O que o torna valente?

É claro que essas coisas mencionadas tomam parte na construção da nossa coragem. Porém, a sua valentia deve ser construída por meio de princípios divinos e posicionamentos de conhecimento bíblico, confiança na Palavra de Deus e obediência ao que Deus lhe propõe.

4. Seja um cristão valente, aprendendo a morrer para si mesmo.

Você não é um cristão pelo fato de frequentar uma igreja, porque lê a Bíblia, ora todos os dias, ouve mensagens e ensinos bíblicos, porque compartilha o que aprende com outros irmãos. Você é um cristão valente quando faz essas coisas, confia e obedece ao que Deus lhe propõe no cotidiano, nas diferentes situações do dia a dia. Agir à semelhança de Jesus é o estilo de vida que o torna cristão!

Você é um cristão valente ao se comprometer com os propósitos de Deus, os quais se realizam com a sua cooperação a Ele. Você é valente quando se compromete em ser o menor, sem o desejo de ser o maior; quando se torna servo sem a pretensão de ser senhor; quando está disposto a obedecer, antes de se impor; quando é o exemplo, antes de exigir atitudes cristãs das pessoas; quando obedece a Deus, antes de reclamar por obediência.

O cristão valente é aquele que aprende a morrer para si mesmo e, dessa forma, não agirá de acordo com os seus desejos, mas segundo Deus e, com certeza, será abençoado por Ele.

Eu gostaria de usar a “oração de Francisco de Assis”, não para que você ore as suas palavras no dia a dia, mas para que aprenda com elas, acerca do que um cristão deve esperar de si mesmo:

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor;

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;

Onde houver discórdia, que eu leve a união;

Onde houver dúvida, que eu leve a fé;

Onde houver erro, que eu leve a verdade;

Onde houver desespero, que eu leve a esperança;

Onde houver tristeza, que eu leve alegria;

Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado;

Compreender, que ser compreendido;

Amar, que ser amado.

Pois é dando que se recebe,

É perdoando que se é perdoado,

E é morrendo que se vive

Para a Vida Eterna.

Isso não é fácil! Não é simples nem para você nem para mim. Nós erraremos muitas vezes, pois o caminho da renúncia do “eu” é trabalhoso e difícil de entender. Porém, lembremos de que, fazendo a vontade Deus, e não a nossa, seremos honrados por Ele em tempo oportuno. Enquanto fazemos a Sua vontade, não nos esqueçamos de nos mantermos vigilantes, segundo os conselhos do apóstolo Pedro.

& 6 Portanto, sejam humildes debaixo da poderosa mão de Deus (aceitem a proposta divina) para que ele os honre (os conduza à felicidade) no tempo certo. 7 Entreguem (estejam colocando ou lançando) todas as suas preocupações a Deus, pois ele cuida de vocês. 8 Estejam alertas e fiquem vigiando (procurem se acalmar, mas não sejam descuidados) porque o inimigo de vocês, o Diabo, anda por aí como um leão que ruge, procurando alguém para devorar (matar ou destruir). (1 Pe.5:6-8 NTLH)

Deus nos ensina, assim como ensinou a Gideão, que os maiores obstáculos não devem ser enfrentados com astúcias ou estratégias humanas. Nós devemos encará-las com fé ou confiança no que a Palavra de Deus diz e com um espírito humilde e obediente. Para cada situação, Deus nos dá um modo de agir, de acordo com a Sua vontade.

Deus também nos ensina que a fé verdadeira não se apoia em números ou quantidade de recursos humanos, mas em Deus, ou seja, no Seu caráter e propósitos. A fé é mais do que acreditar, pois ela nos leva a confiar no caráter e nos propósitos divinos para nossas vidas.

A minha esperança é que sejamos corajosos para enfrentarmos a nós mesmos, depois nossos inimigos e os próprios obstáculos da vida. A grandeza de Deus deve ser vista, primeiramente, dentro de cada um de nós, e depois, compartilharemos essa grandeza e os recursos que temos recebido de Jesus a outras pessoas, as quais perderam a esperança de uma vida digna e abençoada pelo SENHOR.

A fé verdadeira sempre nos levará a morrermos para nós mesmos, a fim de confiarmos plenamente no trabalho divino em nossas vidas como a nos comprometermos com os Seus propósitos neste mundo.

Jesus disse:

& Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se um grão de trigo não for jogado na terra e não morrer, ele continuará a ser apenas um grão. Mas, se morrer, dará muito trigo. (Jo.12:24 NTLH)

Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail