A fé é mais do que acreditar - Parte 44: A fé de Gideão (9) - A fé e as pessoas que nós devemos ser

FAÇA DOWNLOAD:

mp3

Hebreus 11:32

Texto Bíblico:

& O que mais posso dizer? O tempo é pouco para falar de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas. (Hb.11:32 NTLH)

Em muitas ocasiões, Deus não responderá às nossas orações, e pensaremos que Ele está longe ou alheio às nossas vidas. Entretanto, isso se deve à nossa conduta leviana em relação a Ele e à nossa rejeição aos Seus conselhos, pois o nosso coração endurecido é que nos separa Dele, devido aos nossos erros espirituais e morais.

Nas muitas histórias relatadas na Bíblia, nós aprendemos que Deus, antes de abençoar e ajudar os Seus filhos, lhes mostra a razão do Seu distanciamento e, bondosamente, os educa, os corrige, e lhes ensina sobre o tipo de pessoas que devem ser.

Vamos ler Juízes 6:36:

& Então Gideão disse: — Ó Deus, tu disseste que queres me usar para libertar o povo de Israel. (Jz. 6:36 NTLH)

Gideão tinha consciência da promessa divina sobre a sua vida, mas reconhecia suas deficiências pessoais para cumprir a missão divina. Ao reconhecer a sua fragilidade espiritual, Gideão demonstrou uma atitude honesta perante Deus, porém, ele ainda era um homem amedrontado como todos à sua volta. Ele duvidava de que Deus havia feito a escolha certa, ao chamá-lo para um propósito tão importante, naquele período da história dos hebreus. (v.36)

Deus já havia dito que estaria presente com ele (cf. Jz.6:12,16), mas Gideão precisava aprender a crer e a confiar na Palavra que procedia da boca de Deus. Gideão foi chamado por Deus, tanto para ser um líder militar como para atuar como um juiz, a fim de julgar as causas do Seu povo. Ele deve ter imaginado o seguinte: “Como eu posso ser tudo isso, sem qualquer preparo, pois sou apenas um lavrador amedrontado e a pessoa de menos importância na minha família, a qual é muito pobre?” (cf. Jz.6:15)

A sua experiência com Deus foi poderosa, porém, muito recente! Ele viu, diante dos seus olhos, os sinais do poder de Deus, mas os seus sentimentos de medo ainda dominavam a sua mente e o seu coração. O seu conhecimento de Deus era apenas histórico e, portanto, lhe faltava um conhecimento mais amplo sobre o caráter do SENHOR.

Eu posso imaginar os pensamentos de Gideão: “Como um Deus tão poderoso escolhe alguém tão fraco e lhe pede para ser juiz e general, a fim de julgar e defender Israel dos seus inimigos? Como o SENHOR escolhe alguém tão deprimido, desalentado, medroso e desanimado para tal tarefa de tamanha importância?” Para ele, o chamado divino foi assustador e impróprio!

Deus nos tem chamado para uma missão neste mundo e, em Cristo, entendamos que o Cristianismo é uma missão divina. Ele não é um “pronto-socorro”, pois, se pensarmos desse modo, nós lhe roubamos o seu projeto divino e educacional!

O Cristianismo educa os filhos de Deus a serem as pessoas que Ele planejou desde a eternidade, para uma missão muito importante sobre a Terra, ou seja, a seguirem o exemplo de Jesus para serem combatentes corajosos em prol da Verdade divina.

Infelizmente, muitos não se acham dignos dessa tarefa! Eu gostaria que você lesse as palavras do apóstolo Paulo:

& 26 Agora, meus irmãos, lembrem do que vocês eram quando Deus os chamou. Do ponto de vista humano poucos de vocês eram sábios ou poderosos ou de famílias importantes. 27 "Para envergonhar os sábios, Deus escolheu aquilo que o mundo acha que é loucura; e, para envergonhar os poderosos, ele escolheu o que o mundo acha fraco." (1 Co.1:26,27 NTLH)

O mundo pode achá-lo fraco, mas, com Deus, você pode ser forte e corajoso! Lembre-se de Josué, pois ele também era tímido. Porém, a sua coragem e força dependeriam de que ele vivesse de acordo com a Palavra de Deus, que a proclamasse às pessoas, que, se nela meditasse (estudasse) dia e noite, seria bem-sucedido na trajetória de vida que Deus lhe deu. (cf. Js.1:7-9)

No Reino de Deus, os fortes e corajosos são aqueles que reconhecem os seus erros, aceitam a correção divina e andam humildemente na Sua presença.

1. Aceite a correção divina para que Deus abençoe a sua vida.

Gideão não possuía um profundo conhecimento teológico, mas estava aprendendo a confiar no que Deus desejava realizar, como algo específico naquele período da história do Seu povo.

Infelizmente, muitos são possuidores de grande conhecimento teológico, mas não conseguem discernir o que Deus quer realizar especificamente nesta época da história humana e da Igreja. Vivemos em um tempo em que o mal cresce assustadoramente, devido à obstinação humana à Verdade divina, a qual é conhecida por meio de Cristo e Seu Evangelho.

Parece que Deus está longe de todos e alheio a tudo o que acontece, mas Ele não está! Nós estamos nos aproximando do “final dos tempos” e as pessoas precisam reconhecer que estão afastadas de Deus e do Evangelho de Jesus. Elas precisam se arrepender ou se alinhar com o Pai, a fim de poderem falar com Ele e desfrutarem da Sua bondade que as levará para a eternidade.

Muitos, hoje em dia, como no tempo de Gideão (cf. Jz.6:1-6), vão às igrejas para orar e pedir socorro ao Todo-Poderoso, mas parece que os “Céus” estão fechados às suas palavras! Infelizmente, recebem de muitos a mensagem de uma esperança falsa, quando deveriam entender as razões de Deus não as ouvir. (cf. Jz.6:7-10)

Vou fazer uso das palavras do salmista, a fim de entendermos o que eu estou dizendo:

& "Vocês fizeram essas coisas, e eu fiquei calado; por isso, pensaram que eu era igual a vocês. Porém agora vou repreendê-los; vou mostrar-lhes os seus erros." (Sl.50:21 NTLH)

O contexto fala dos procedimentos e escolhas erradas feitas pelos filhos de Deus: eles se associaram com pessoas desonradas, inescrupulosas ou desaprovadas por Deus. Além do mais, eles se recusaram a ouvir as ordens divinas e se esqueceram do SENHOR. (leia Salmos 50:16-23)

Há muitos que buscam a Deus para resolverem seus problemas pessoais. Eles, porém, rejeitam uma vida em harmonia com Ele. Todavia, Deus continuará curando, realizando milagres e dando sinais da Sua presença. Entretanto, Ele não deixará de advertir o Seu povo quanto aos seus erros, pois são eles que impedem que a fé seja verdadeira e inviabilizam o desfrute da Sua graça abundante.

Então, chegará o momento em que Deus se calará e, ao se silenciar, Ele permite que tais pessoas vivam pelas suas escolhas egoístas, até que não tenham mais forças para saírem das armadilhas em que eles mesmos se colocaram.

Nesse momento, não basta remediar a situação, jogando uma corda para puxá-las dos seus “buracos sem fundo”. É necessário que, do “Alto”, recebam a mensagem que as conscientizem sobre o tipo de pessoas que devem ser e, após terem reconhecido os seus erros, tanto espirituais como morais, sairão das adversidades como pessoas transformadas pelo poder de Deus e saberão lidar com os seus momentos, segundo os princípios ou as orientações divinas.

Deus nos fala o seguinte, através do profeta Isaías:

& 1 Vocês estão pensando que o SENHOR perdeu a força e não pode nos salvar? Ou pensam que ele está surdo e não pode nos ouvir? 2 Pois são os pecados de vocês que os separam do seu Deus, são as suas maldades que fazem com que ele se esconda de vocês e não atenda as suas orações. (Is.59:1,2 NTLH)

Este verso nos diz sobre o pensamento humano acerca de Deus. (v.1) A seguir, Deus declara a razão de não atender as orações do Seu povo. (v.2)

Deus nunca perderá o Seu poder para livrar os Seus filhos de todo o mal e continuará realizando milagres e curas para abençoá-los, porém, você precisa entender o porquê de Deus não estar atendendo as suas orações. Pode ser que os seus erros espirituais e morais o estejam separando da abundante graça do SENHOR, e o Seu primeiro trabalho será corrigir a sua conduta em relação a Ele.

Esse foi o primeiro trabalho de Gideão: fazer com que o povo visse a razão do seu sofrimento e perdas. A causa de tantas dores eram os seus pecados e a idolatria. Gideão deu o exemplo a todos, quando derrubou o altar de Baal e seu poste-ídolo, os quais eram adorados pela sua própria família e estavam no terreno da mesma. (cf. Jz.6:25-30)

Uma vez que entendemos a razão de Deus se calar e não atender as orações do Seu povo, que tipo de pessoa nós devemos ser, para defendermos a fé verdadeira e a Verdade divina?

2. Não dê às pessoas o que você é, mas o que Deus lhe tem dado e realizado em você.

Ele não pediu nada para os seus interesses pessoais, mas duvidava, no seu íntimo, que Deus havia feito a escolha correta, pois se sentia incapaz para enfrentar tal situação de extrema adversidade. Ele está relutante e lutando com o seu estado emocional.

Nós devemos nos lembrar de que ele vivia dentro de uma cultura do medo, pois os seus inimigos estavam sempre matando pessoas, roubando suas provisões e destruindo os seus campos de plantações. Como todos os israelitas, Gideão vivia sob forte tensão e risco de morte.

Ele não desejava dinheiro, bens materiais ou soluções fáceis, mas a certeza de que ele era realmente a pessoa escolhida por Deus, para aquele momento na história da sua sociedade. Ele viu o poder de Deus, mas a falta de conhecimento sobre o Seu caráter e a Sua escolha pela sua vida lhe provocava medo.

Então, Gideão propõe a Deus o seguinte, em Juízes 6:37-40:

& 37 Pois bem. Vou pôr um pouco de lã no lugar (eira) onde malhamos o trigo. Se de manhã o orvalho tiver molhado somente a lã, e o chão em volta dela estiver seco, então poderei ficar certo de que tu realmente me usarás para libertar Israel. 38 O que ele disse aconteceu. Na manhã seguinte Gideão se levantou, espremeu a lã, e dela saiu água que deu para encher uma tigela. 39 Então ele pediu a Deus: — Não fiques zangado comigo. Mas deixa que eu fale só mais uma vez. Deixa, por favor, que eu faça mais uma prova com a lã. Que desta vez a lã fique seca, e que haja orvalho somente no chão em volta dela! 40 E Deus fez isso naquela noite. A lã ficou seca, e o chão em volta ficou coberto de orvalho. (Jz.6:37-40 NTLH)

Gideão não podia imaginar, mas Deus, pelo Seu poder, estava dirigindo a sua oração ou pedido. Esse pretenso teste sinalizava o tipo de pessoa que ele deveria ser, tanto para Deus como para as pessoas.

Neste momento, nós precisamos tratar essa passagem das Escrituras de modo alegórico, figurado ou como uma parábola ou metáfora.

O chão em volta da porção de lã era uma eira. Uma eira (na linguagem rural, trata-se de um terreiro, um quintal pequeno de terra batida) é um terreno ou local cuja superfície não possui saliências, normalmente feito sobre terra batida, muito dura, impermeável, e é utilizado para debulhar e secar os grãos colhidos.

A porção de lã é a vida do próprio Gideão, o qual deveria estar encharcado com o orvalho, ou seja, com os recursos ou as capacitações divinas. Pela manhã, ao se levantar, ele torceu a porção de lã e havia tanto orvalho que se podia encher uma tigela ou uma taça com ele.

A porção de lã seca e o chão batido coberto de orvalho representam a sua missão para com o povo, o qual estava endurecido a Deus. Somente os que estivessem próximos a Gideão experimentariam o derramamento do Espírito e o refrigério, consolo ou alívio de Deus.

Deus fez como ele pediu! Na verdade, Deus mostrou o tipo de pessoa que Gideão deveria ser: um homem cheio do Espírito de Deus, a fim de se tornar um instrumento nas mãos divinas e contagiar os que cressem na sua mensagem a receberem o mesmo que recebeu de Deus.

Esse é o tipo de pessoa que Deus espera que sejamos em qualquer situação. Devemos servir de inspiração aos endurecidos ou afastados do Pai, aos deprimidos, aos desencorajados e tantas outras pessoas que necessitam da graça e do poder do SENHOR, a fim de encontrarem sentido às suas vidas.

Deus espera que nós aprendamos que devemos ser cheios do Seu Espírito e dos Seus recursos espirituais, a fim de inspirarmos outras pessoas a andarem alinhadas com Ele, de acordo com a Sua Verdade e a confiarem nos Seus propósitos. O esvaziamento é a morte do “eu”, a fim de sermos uma bênção para aqueles que, ainda que endurecidos de coração, possam se aproximar do ETERNO e Bondoso Deus, por meio de Cristo Jesus.

Deus torna aquele que é comum em alguém incomum, a fim de realizar Seus propósitos sobrenaturais! Deus escolhe os que não são, a fim de alcançar os que pensam que são.

& 3 Louvado seja o Deus e Pai do nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai bondoso, o Deus de quem todos recebem ajuda! 4 Ele nos auxilia em todas as nossas aflições para podermos ajudar os que têm as mesmas aflições que nós temos. E nós damos aos outros a mesma ajuda que recebemos de Deus. (2 Co.1:3,4 NTLH)

Que nós possamos dar às pessoas o exemplo de uma vida transformada por Deus e uma vida incansável de serviço espiritual, a fim de que, através de nós, Ele, o SENHOR, alcance os que desejam a Vida Eterna! Nós não damos às pessoas o que somos (a porção de lã), mas o que temos recebido de Deus (o orvalho – o refrigério e os caminhos divinos).

Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail