O poder da ressurreição de Cristo em nós

 FAÇA DOWNLOAD:

mp3

2 Coríntios 1:8-10

Hoje nós comemoramos a Páscoa, a festa que celebra a passagem da morte para a vida, a ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo. Celebramos também a vida que Deus nos deu em Cristo, pois estávamos mortos em nossos desvios espirituais, morais, e desagradávamos ao Pai com a nossa conduta, mas, por meio de Cristo, o Criador nos deu uma nova vida em Jesus.

Antes que fôssemos a Cristo, passamos por angústias, aflições e pressões, devido à nossa condição espiritual e moral. Não sabíamos como lidar com os nossos pecados e com determinadas circunstâncias, tanto espiritual como emocionalmente falando. Vivíamos sob intensa pressão interior!

Não é só o pecado e as necessidades que criam pressões, mas também as mais diversas situações da vida. Deus permite que os cristãos passem por diferentes níveis de pressões para que aprendam a viver perante Ele.

Constantemente, as situações de pressões intensas acontecem nas diferentes áreas da sua vida como filho de Deus. Elas acontecem:

  • No seio familiar.
  • Nos relacionamentos.
  • Nos negócios.
  • Nas finanças.
  • Na Igreja.

A pergunta que lhe faço é a seguinte: “Por que todas essas coisas lhe sobrevêm?” Você precisa reconhecer que a vida regenerada que recebeu de Deus, por meio de Jesus, é muito preciosa.

Infelizmente, essa verdade é muito ignorada pela maioria dos cristãos do nosso tempo. Embora sejam nascidos de novo em Cristo, eles desconhecem que sua nova vida no Senhor não tem preço. Porém, sob pressão, percebem que Deus os capacita a vencerem em todas as situações.

Todas as pressões exteriores que você sofre pela permissão de Deus, visam provar a realidade do poder que há nessa nova vida que Ele lhe deu, a fim de lembrá-lo que, sem a Sua vida, você não suportaria tantas pressões e, principalmente, pelo fato de ser cristão. Então, o poder da Sua vida se manifesta através da pressão exterior que você sofre.

Texto Bíblico:

& 8 Irmãos, queremos que saibam das aflições pelas quais passamos na província da Ásia. Os sofrimentos que suportamos foram tão grandes e tão duros, que já não tínhamos mais esperança de escapar de lá com vida. 9 Nós nos sentíamos como condenados à morte. Mas isso aconteceu para que aprendêssemos a confiar não em nós mesmos e sim em Deus, que ressuscita os mortos. 10 Ele nos salvou e continuará a nos salvar desses terríveis perigos de morte. Sim, nós temos posto nele a nossa esperança, na certeza de que ele continuará a nos salvar. (2 Co.1:8-10 NTLH)

O nosso texto base nos diz o seguinte:

  • Nenhum cristão está livre das pressões, mesmo quando está fazendo a vontade de Deus. (v.8)
  • As pressões podem ser tão violentas, a ponto de gerarem um sentimento de morte. (v.9)
  • Deus permite as pressões na vida de Seus filhos para:
    • Que aprendam a confiar Nele. (v.9a)
    • Andarem com Ele. (v.9b)
    • Manifestarem a vida de Jesus. (v.9c)
  • As pressões não impedem a providência Divina. (v.10)

1. Entenda que o poder da vida ressurreta de Jesus em você é poderoso!

A ressurreição de Jesus Cristo foi o maior marco na história da humanidade! No entanto, a Sua ressurreição não deve ser considerada pelos cristãos apenas como um fato histórico, que aconteceu no passado. Após a Sua ressurreição, Jesus nos deu o poder para vivermos sob o poder da Sua vida ressurreta, por meio do Espírito Santo.

O apóstolo Paulo declarou aos cristãos de Filipos o seguinte:

& Tudo o que eu quero é conhecer [discernir, entender] a Cristo e sentir em mim o poder da sua ressurreição. Quero também tomar parte nos seus sofrimentos e me tornar [agir] como ele na sua morte, 11 com a esperança de que eu mesmo seja ressuscitado da morte para a vida. (Fp.3:10 NTLH)

Vejamos o sentimento de Paulo: Ele quer entender cada vez mais a Pessoa de Jesus, quando esteve sob as pressões que sofreu, ou seja, como Ele agia nesses momentos. Entretanto, o apóstolo deixa claro que esse conhecimento só poderia ser experimentado pelo poder da vida ressurreta de Jesus, a qual agia dentro dele. Esse poder é que o capacitaria a entender e a agir à semelhança de Jesus em todas as circunstâncias da Sua vida.

No entanto, para que pudesse agir à semelhança de Jesus em meio aos sofrimentos, ele teria que aprender a conviver com “o princípio da morte e ressurreição” a cada dia ou a cada momento da sua vida, pois essa experiência fortalecia a sua esperança na ressurreição eterna.

Jesus estava vivo e andava entre os homens fazendo o bem ou a vontade de Deus, mas Ele foi crucificado e, naturalmente, morreu e foi sepultado sob intensa pressão. Todavia, Ele ressuscitou dos mortos, pois a escravidão da morte não tinha poder sobre Ele, porque o poder que havia dentro Dele era maior do que o poder da morte. Por isso, o que chamamos de “o princípio da ressurreição” é a vida que sai da morte.

Jesus disse:

& Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se um grão de trigo não for jogado na terra e não morrer, ele continuará a ser apenas um grão. Mas, se morrer, dará muito trigo. (Jo.12:24 NTLH)

Jesus veio ao mundo para morrer por nós, não é verdade? Porém, antes de tudo, Ele morreu para si mesmo. Agindo assim, recebeu de Deus todo o poder que precisava para concluir a Sua missão. Ele é o grão de trigo e, com a Sua morte e ressurreição, produziu muitos frutos, e entre eles, estamos nós! Ele foi o “um” e nós os Seus frutos (muitos).

Nós somos a prova viva de que a morte de Jesus não foi apenas um acontecimento histórico, pois Ele está constantemente agindo dentro e através de cada um de nós, isto é, quando morremos para nós mesmos e permitimos que a Sua vida se manifeste através de nós, nas inúmeras circunstâncias de nossas vidas.

2. Aprenda a se colocar em Deus, por meio da vida ressurreta de Cristo.

Quando reconhecer que está totalmente desamparado e distante de qualquer conforto humano, não permita que a pressão exterior o lance para longe de Deus, mas resista e se aproxime Dele, pois a vida que Ele lhe deu o capacita para isso, a fim de que você fique maravilhado com a força do Seu poder!

Uma pessoa que não possui a realidade da “Vida do Alto” se sente esmagada psicologicamente sob as fortes pressões agonizantes que a vida lhe impõe. Entretanto, se você é de fato um cristão autêntico, sabe que possui dentro de si a vida ressuscitada de Cristo e ela é mais forte do que qualquer pressão exterior! Então, quando você estiver sob pressão, lembre-se da “Vida do Alto” que está no seu interior, a qual lhe foi dada pelo próprio Jesus, pois é dela que virá toda a capacitação Divina para que você enfrente a aflição que o atinge.

3. Saiba que você não é a pessoa maravilhosa que pensa que é!

Você conhece alguém que é bom, gentil, calmo e paciente? Eu acredito que sim. Porém, essas características naturais não afirmam que tal pessoa esteja em Cristo. Deus pode permitir que ela passe a sofrer intensa pressão nas diferentes áreas da sua vida, a ponto de não mais suportar. Então, ela percebe que suas qualidades naturais não são suficientes para lhe dar estabilidade emocional.

Você pode ser uma pessoa boa, e por causa da sua bondade, acreditar que está em comunhão com Deus. No entanto, sob as pressões permitidas por Deus, perceberá que a sua conduta é apenas natural, pois a sua paciência e bondade estão se esgotando. Para que você seja capacitado por Deus, a fim de superar as pressões intensas, terá que aprender a morrer para si mesmo e a se colocar aos cuidados de Deus pela fé, assim como Jesus fez.

Então, entregando-se a Deus à semelhança de Jesus e confiando no Seu poder, você saberá discernir entre o que é natural e o que é sobrenatural, entre o que é velho e o que é novo. Deus permite que você sofra pressões, mesmo sendo um cristão autêntico, para revelar o quanto você é incapaz de realizar, suportar e resistir por si mesmo a elas.

Nesses momentos, você descobre que Deus o reduz a nada, a fim de que pare de confiar em si mesmo, passe a ter fé no Seu poder, na Sua mensagem, e viva de um modo que O agrade. É desse modo que você passa a conhecer o poder da ressurreição.

Um exemplo do que estou falando está na vida de Paulo. Veja o que ele declarou:

& 8 Muitas vezes ficamos aflitos, mas não somos derrotados. Algumas vezes ficamos em dúvida, mas nunca ficamos desesperados. 9 Temos muitos inimigos, mas nunca nos falta um amigo. Às vezes somos gravemente feridos, mas não somos destruídos. 10 Levamos sempre no nosso corpo mortal a morte de Jesus para que também a vida dele seja vista no nosso corpo. (2 Co.4:8-10 NTLH)

Paulo tinha grandes pressões, mas também tinha um “grande poder” dentro dele! As pressões externas faziam com que o “poder” que havia no seu interior se manifestasse. Lembre que se você é um filho de Deus verdadeiro, a sua vida está sendo dirigida por Ele e você está no lugar ou circunstância que o Senhor planejou.

Portanto, sejam quais forem as circunstâncias em que você se encontre, Deus espera que a vida de Jesus seja manifestada através das suas atitudes.

4. Saiba que o seu crescimento em Cristo é medido pelo modo como você lida com as pressões.

O crescimento na vida cristã não depende apenas do quanto você conhece da Bíblia, mas de como você a aplica no ambiente em que está. Todas as pressões que nos acontecem têm como alvo Divino treinar-nos a conhecermos mais e mais a Jesus Cristo e o poder da Sua ressurreição.

Quando você se deparar com muitas pressões, lembre-se que elas não devem ser evitadas, mas acolhidas, pois quanto maior for a pressão sobre a sua vida, maior será a manifestação do poder de Deus através dela. Lembre-se da experiência de Paulo, ao pedir que Deus o livrasse de um determinado sofrimento:

& 8 Três vezes orei ao Senhor, pedindo que ele me tirasse esse sofrimento. 9 Mas ele me respondeu: “A minha graça é tudo o que você precisa, pois o meu poder é mais forte quando você está fraco.” Portanto, eu me sinto muito feliz em me gabar das minhas fraquezas, para que assim a proteção do poder de Cristo esteja comigo. 10 Eu me alegro também com as fraquezas, os insultos, os sofrimentos, as perseguições e as dificuldades pelos quais passo por causa de Cristo. Porque, quando perco toda a minha força, então tenho a força de Cristo em mim. (2 Co.12:8-10 NTLH)

Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail