A fé é mais do que acreditar - Parte 3: Cuidado com o que você ouve, pois a fé vem pelo ouvir

Romanos 10:13-17

Texto Bíblico:

& 13 Como dizem as Escrituras Sagradas: “Todos os que pedirem a ajuda do Senhor serão salvos.” 14 Mas como é que as pessoas irão pedir, se não crerem nele? E como poderão crer, se não ouvirem a mensagem? E como poderão ouvir, se a mensagem não for anunciada? 15 E como é que a mensagem será anunciada, se não forem enviados mensageiros? As Escrituras Sagradas dizem: “Como é bonito ver os mensageiros trazendo boas notícias!” 16 Mas nem todos aceitam a boa notícia do evangelho. Foi Isaías quem disse: “Senhor, quem creu na nossa mensagem?” 17 Portanto, a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem vem por meio da pregação a respeito de Cristo. (Rm.10:14-17 NTLH)

Vamos continuar meditando sobre a fé. Até agora, eu apresentei dois motivos, os quais considero de grande importância para meditarmos sobre esse assunto. Vejamos:

  • Jesus declarou que por volta da Sua segunda vinda, dificilmente encontraria fé sobre a Terra.
  • Nós aprendemos que a fé enfraquece quando não é alicerçada sobre o amor, segundo a definição bíblica do mesmo, e que nos últimos dias, “o amor de muitos esfriará”.

Nós temos visto que a fé nos foi dada, a fim de acreditarmos e obedecermos a Deus. Todavia, ela deve se desenvolver e, para isso, nós precisamos cooperar com o Criador. Nós demonstramos que a fé está viva dentro e através de nós por meio de atitudes que manifestam a glória de Deus, ou seja, a Sua realidade, bondade e poder.

Então, a fé que nos foi dada inicialmente por Deus, precisa crescer nos alicerces do amor e nós lemos na semana passada o texto de Paulo aos cristãos de Corinto (1 Co.13), onde ele explica sobre o amor. Ele deixa claro que não se trata de um sentimento, mas de atitudes semelhantes às que Jesus demonstrou, enquanto viveu fisicamente entre os homens.

Jesus nunca prejudicou o próximo com as Suas atitudes como nunca distorceu o caráter e a Palavra de Deus. Ele sempre ensinou a Verdade como ela é e jamais compartilhou falsas esperanças às pessoas, pois desejava que o ser humano construísse uma fé verdadeira e que agradasse a Deus. 

Tanto Jesus como Seus apóstolos, nunca ensinaram a fé como sendo uma esperança terrena ou um artifício humano que visa manipular o Senhor, o Deus Eterno. A fé não existe para alcançarmos o que mais desejamos neste mundo, mas para cumprirmos os propósitos de Deus sobre a Terra.

Quando Deus criou o homem, deu a este a capacidade para crer nas leis espirituais, morais e naturais. A comunhão verdadeira com Deus determinará o nosso respeito às outras leis, tanto morais como naturais.

Por exemplo: Satanás disse a Jesus que pulasse do pináculo do Templo em Jerusalém, pois os anjos o salvariam antes de cair e ficar estatelado no chão. Seria um milagre maravilhoso e que chamaria toda a atenção para Si. Mas Jesus recusou, porque pelas leis espirituais Ele deveria obedecer somente a Deus e não ao Diabo. Moralmente falando, seria também um erro, pois as pessoas não aprenderiam a amar a Deus e viver para Ele, pelo simples fato de presenciarem o tal milagre.

Adão e Eva caíram na tentação do desejo de se parecerem com Deus, pela aquisição de um conhecimento que, pensaram eles, lhes faltava – o conhecimento do bem e do mal. Eles acreditaram numa falsa explanação satânica, tiveram fé em um ensinamento falso, desobedeceram a Deus e delegaram à raça humana um caminho de afastamento da pureza e do alinhamento com o Criador.

Portanto, o ser humano foi criado para manifestar fé (crença, confiança, fidelidade e obediência) tanto às leis espirituais como às naturais.

1. O tempo todo você manifesta fé, então, tome cuidado com o que você ouve!

A fé é de extrema importância à vida cotidiana do ser humano, pois ela é exercida em todos os momentos:

  • Fazemos viagens de ônibus, carro, trem, avião e de navio, confiando nesses meios de transporte.
  • Entramos em uma condução pública confiando que não há um homem bomba dentro do mesmo.
  • Entramos num prédio confiando em quem o construiu.
  • Fazemos uso constante de elevadores confiando na sua manutenção.
  • Tomamos bebidas variadas confiando na qualidade da produção das mesmas.
  • Procuramos um médico que nunca vimos antes por indicação de amigos.
  • Compramos remédios confiando nos laboratórios que os produzem.
  • Obedecemos às leis, crendo que elas protegem tanto a nós como aos outros.
  • Nós nos casamos acreditando no caráter do cônjuge e na participação mútua.

Essas e outras inúmeras situações demonstram que todos nós vivemos por meio de uma “fé natural” e que por meio dela, convivemos com a ciência, tecnologia e principalmente uns com os outros no dia a dia.

Esse tipo de fé (natural) se desenvolve pelo conhecimento de adquirimos de alguém sobre alguma coisa. Por exemplo: Você compra um produto porque foi convencido interiormente sobre a importância do mesmo à sua vida. Você acredita (teve fé) que ele será de grande ajuda e que atenderá as suas necessidades, pelas explicações que recebeu.

Todavia, depois de um curto período de tempo, descobre que foi enganado. E agora? Devolvê-lo é impossível, pois já foi usado! Então, ele ficará esquecido em um canto qualquer, até que você se desfaça dele por completo.

Outro caso: você se envolve emocionalmente com outra pessoa. Sorrateiramente, ela o engana, fazendo-se passar por alguém de caráter elevado, como sendo verdadeiro, honesto, sincero, trabalhador, sem transtornos de compulsão e afeito à vida familiar. Nós sabemos que a paixão faz cegar os olhos e você não enxerga a armadilha em que está caindo. Você se casa com essa pessoa e logo descobre o verdadeiro caráter dessa pessoa e que foi enganado! E agora, o que você faria? O devolveria para a casa da mamãe? O colocaria em um canto qualquer da sua vida? O problema é que você não está lidando com um produto, mas com um ser humano, o qual Deus quer transformar. No entanto, isso dependerá da disposição do mesmo, em aceitar ou não a mensagem do Evangelho a respeito de Jesus Cristo. Porém, o desapontamento, a tristeza a turbulência familiar já está implantada. Então você diz: “Como é que eu não vi? Como eu pude acreditar?

Uma pessoa assim corre a uma igreja, pois alguém lhe “falou ou explicou” que dá um jeito para todas as coisas. Você acredita, isto é, você exerce fé pela explicação que recebeu. Você faz incansáveis “campanhas”, orações e pede, pede e pede a Deus um milagre na vida do outro. Porém, Deus não pode consertar a vida do outro, sem antes consertar a sua! Você terá que aprender a ter atitudes de fé, que são construídas sobre o amor, ou seja, você terá que negar a si mesmo e abençoar com atitudes semelhantes a Jesus, aquele que lhe prejudica.

O problema não está no presente, mas no passado. Você não se exercitou na Verdade, não procurou ouvir conselhos verdadeiros acerca das decisões que estava tomando. Biblicamente, é impossível consertar o presente voltando ao passado. Deus pede que você olhe para o passado, a fim de aprender onde errou, mas a solução sempre estará no presente e o preço é a morte para si mesmo, ou seja, o amor para abençoar amigos e até inimigos.

Talvez você se lembre do verso base que usamos na semana passada:

& (...) agora existem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. Porém a maior delas é o amor. (1 Co.13:13 NTLH)

A fé não é a esperança e esta não representa propriamente a fé. Tanto a fé como a esperança precisam ser alicerçadas sobre o amor, sobre a renúncia do “eu”, ou do ego. Como uma pessoa egoísta pode ter uma fé genuína? Impossível! A fé que está sendo pregada hoje em dia tem gerado cristãos egoístas, fazendo-os pensar somente em si mesmos e nas coisas que podem obter nesta vida. Jesus disse:

& 19 — Não ajuntem riquezas aqui na terra, onde as traças e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e roubam. 20 Pelo contrário, ajuntem riquezas no céu, onde as traças e a ferrugem não podem destruí-las, e os ladrões não podem arrombar e roubá-las. 21 Pois onde estiverem as suas riquezas, aí estará o coração de vocês. (Mt.6:19-21 NTLH)

Jesus não está condenando alguém por possuir riquezas neste mundo, mas por não se preocupar com a eternidade. Para conseguir muitas coisas nesta vida você não precisa de Deus, pois basta se corromper e se vender a uma falsa espiritualidade e à imoralidade. Outro caminho é o estudo sério, o trabalho árduo e a disciplina contínua para chegar onde quer.

Eu pergunto: “Qual é a diferença entre um e outro?” Para os padrões mundanos, o merecedor de um grande prêmio é o segundo, mas o que vemos é que o primeiro é que tem alcançado os louros das grandes vitórias. No entanto, ambos exercem a fé em suas próprias ambições e excluem Deus dos seus planos futuros. Eles não vivem para a glória de Deus e, portanto, não vivem de acordo com o Evangelho.

O ditado popular diz que “o mundo é dos espertos”! Isso é verdade, pois o mundo realmente é deles, porém, tanto o Reino dos Céus como a Eternidade não são – não lhes pertencem. Portanto, há muitas pessoas boas e honestas neste mundo, mas que não estão alinhadas com os princípios e valores provenientes da Verdade Divina, ou seja, da Palavra de Deus. Eles não buscam o Reino de Deus, mas o que querem, pois estão preocupados com o dia de amanhã.

Jesus disse:

& 33 Portanto, ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas. 34 Por isso, não fiquem preocupados com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã trará as suas próprias preocupações. Para cada dia bastam as suas próprias dificuldades. (Mt.6:33,34 NTLH)

Jesus está fazendo uma comparação entre o estilo pagão e os que amam a Deus. O pagão busca primeiramente o que quer e o cristão autêntico busca o Reino de Deus, pois ele ama a Deus, quer obedecê-Lo e tem fé nas provisões dos Céus. O primeiro vive para possuir a Terra e o segundo o Céu.

2. A fé tem por alvo nos tornar discípulos de Cristo, não manipuladores de Deus!

Sempre que você ouvir alguém falando de fé, mas que não o conduz a uma vida transformada, tanto espiritual como moralmente falando, cuidado! Esse ensinamento pode alimentar apenas os seus apetites pessoais e lhe dar uma falsa esperança, pois não se baseia no amor e na obediência a Deus.

Uma fé que alimenta os seus desejos pessoais, mas não o conduz a cumprir os propósitos de Deus neste mundo por meio de Cristo e Sua Igreja é falsa. Deus o escolheu para ser uma nova pessoa em Cristo Jesus. Ele o escolheu para amar o Pai e ser uma bênção ao próximo.

O nosso texto base fala sobre a salvação, mas o termo não significa o livramento de problemas, pois o próprio Jesus disse que “para cada dia bastam as suas próprias dificuldades”. Em meio a essas dificuldades a fé necessária é aquela que se fundamenta no amor, a fim de que andemos confiantes em Deus e nas Suas provisões. Essa salvação tem a ver com a nossa liberdade de servir a Deus e não aos impulsos pessoais como às artimanhas e mentiras satânicas.

Então, a nossa primeira preocupação não deve ser a solução de algo, mas como nós manifestaremos o Evangelho em meio às adversidades. Eu apresento a Deus o meu problema e peço que mostre sobre como eu devo agir naquela determinada situação. Uma vez que eu busco viver do modo que agrada a Deus, então, que eu creia nas Suas provisões e até soluções ou milagres!

A fé que não me ensina a construir a minha vida à semelhança de Jesus, ou seja, aos moldes do Seu relacionamento com Deus é falsa e eu devo rejeitar esse ensinamento. A fé tem por alvo nos tornar discípulos de Cristo e não manipuladores de Deus!

Porém, nem todos aceitam a mensagem do Evangelho, porque nem todos querem aprender sobre Jesus Cristo, ou seja, sobre o Seu modo de pensar e agir para agradar a Deus. A mensagem que muitos querem é aquela que não os leve a um processo de transformação Divina, mas que apenas atenda aos seus desejos terrenos. Se você “determina” o que Deus deve fazer, quem deve ter fé em quem?

O meu desejo é que Deus levante homens e mulheres que ensinem às pessoas o verdadeiro Evangelho, a fim de que elas possam verdadeiramente confiar em Deus, vivendo e morrendo para Ele, a fim de conquistar o verdadeiro prêmio – a vida eterna em Jesus Cristo, o nosso Senhor!

Como seria a sua vida neste mundo ao estar se preparando mais seriamente para a eternidade?

  • Você continuaria a fazer o que está fazendo?
  • Você tomaria as decisões que está tomando?
  • Você levaria a sua fé com mais seriedade em Cristo Jesus?
  • Você ouviria mais a Deus ou as vozes que lhe orientam?
  • Você se importaria em abençoar as pessoas, em vez de chorar mágoas?
  • Você amaria mais a Deus e confiaria Nele mais do que em si mesmo?

Cuidado com o que você está ouvindo! Cuidado com as vozes que alimentam a sua alma, pois elas poderão afastá-lo das mais preciosas bênçãos que Deus preparou para você em Jesus Cristo.

A minha esperança é que Deus tenha misericórdia de todos nós e nos conceda um espírito de coragem, a fim de crermos Nele e nas Suas orientações em todo o tempo, seja na alegria ou na tristeza, na enfermidade ou na saúde, na riqueza ou na pobreza, pois para Ele morremos e passamos a viver em Jesus Cristo, o nosso Senhor.

Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail