O Evangelho de Deus e o chamado Divino

FAÇA DOWNLOAD:

mp3

Marcos 1:16-20

Texto Bíblico:

&  16 Jesus estava andando pela beira do lago da Galiléia quando viu dois pescadores. Eram Simão e o seu irmão André, que estavam no lago, pescando com redes. 17 Jesus lhes disse: - Venham comigo, que eu ensinarei vocês a pescar gente. 18 Então eles largaram logo as redes e foram com Jesus. 19 Um pouco mais adiante Jesus viu outros dois irmãos. Eram Tiago e João, filhos de Zebedeu, que estavam no barco deles, consertando as redes. 20 Jesus chamou os dois, e eles deixaram Zebedeu, o seu pai, e os empregados no barco e foram com ele.  (Mc.1:14,15 NTLH)

Durante algumas semanas eu tenho compartilhado com você sobre o “Evangelho de Deus”, o qual é a mensagem da “boa notícia de Deus aos homens”. Nós temos visto que o Evangelho de Deus,

  • Fala da vinda de Jesus à Terra como o único Filho de Deus.
  • É a Pessoa de Jesus Cristo.
  • Alinha o homem com os princípios de Deus (arrependimento).
  • Mostra ao homem como viver em fidelidade (fé) e obediência a Deus.
  • Revela a soberania Divina por meio de Jesus Cristo.
  • Revela os princípios do Reino, para que o homem saiba como negar a si mesmo.
  • Não esconde do homem que ele pode causar sofrimentos e também vitórias nesta vida.
  • Propõe ao homem a seguir Jesus sem demora.

Nós podemos observar um padrão comum em nossa cultura sobre o consumo. Antes de nos comprometermos com alguma coisa, nós testamos várias coisas, e só depois de várias avaliações é que nos comprometemos. Muitos produtos que são vendidos apresentam a opção de testarmos por um mês ou dois e, caso não gostemos, os devolvemos para termos o nosso dinheiro de volta.

No velho mundo dos rabinos, o discipulado não fugia à regra, pois um aluno seguiria o seu professor somente após tê-lo ouvido e avaliado os seus ensinos. Então, após sua análise, as pessoas se comprometiam com os seus ensinamentos. Portanto, o processo de comprometimento atual não é algo novo – as pessoas só se comprometem após suas análises pessoais, e se, de fato, lhes trazem algum benefício quase imediato.

O nosso texto nos mostra duas coisas:

  • A ação Divina ao chamar os homens. (vs.16,17,19,20)
  • A resposta humana ao chamado Divino. (vs.18,20)

A primeira coisa que eu gostaria que você notasse é que “Jesus estava andando pela beira do lago da Galiléia”. O verbo andar tem o sentido de “andar livremente ou conduzir-se por alguma coisa”, e o que isso significa? Jesus era conduzido pelo Espírito de Deus para aproveitar oportunidades. Porém, que oportunidades seriam estas? A oportunidade de chamar pessoas a se aproximarem de Deus e se comprometerem com a missão do Seu Reino.

1. A ação Divina ao chamar os homens. (vs.16,17,19,20)

A primeira coisa que eu gostaria que vocês soubessem é que o chamado de Cristo àqueles quatro homens, Simão, André, Tiago e João, revela a Divindade de Jesus. Vamos ler Jeremias 16:16.

& O SENHOR Deus diz: - (Eu) Mandarei vir muitos pescadores para pescarem essa gente. (Jr.16:16ª NTLH)

Profeticamente, Jeremias diz que o Senhor Eterno enviaria muitos pescadores de gente, a fim de chamar os pecadores a Ele. Eu não tenho autoridade do “Alto” para chamar alguém a uma missão Divina, pois esse trabalho pertence somente a Deus. Então, ao chamar os quatro pescadores, Jesus revela ser o próprio Deus encarnado, chamando pessoas para o trabalho no Reino dos Céus.

Portanto, somente Deus é que envia os pescadores aos homens de todo tipo, a fim de que eles participem do Reino de Deus. Entretanto, nem todos gozarão da mesma sorte, ou seja, não são todos os que foram chamados que experimentarão a eternidade ao lado do Pai. Mas como pode ser isso? Se Jesus chama as pessoas, não seria justo que para elas tudo terminasse bem? Vamos ver um ensinamento de Jesus sobre o Reino de Deus, em Mateus 13:47-50:

& 47 - O Reino do Céu é ainda como uma rede que é jogada no lago. Ela apanha peixes de todos os tipos. 48 E, quando está cheia, os pescadores a arrastam para a praia e sentam para separar os peixes: os que prestam são postos dentro dos cestos, e os que não prestam são jogados fora. 49 No fim dos tempos também será assim: os anjos sairão, e separarão as pessoas más das boas, 50 e jogarão as pessoas más na fornalha de fogo. E ali elas vão chorar e ranger os dentes de desespero. (Mt.13:47-50 NTLH)

O problema está na condição humana, pois nem todos os que são chamados se alinham com os princípios e valores da Verdade Divina e têm uma disposição de serem obedientes a Ele.

O verso 48 fala de dois tipos de pessoas: “Os que prestam e os que não prestam”. O sentido é que dos “que não prestam” é que são apodrecidos, corrompidos por alguém, impróprios para o uso, sem valor, inúteis e, portanto, causam malefícios à saúde espiritual e moral do próximo. O fim destas pessoas será terrível!

Que nós nos esforcemos para sermos úteis a Deus, a fim de abençoarmos o nosso próximo, e que estejamos sempre abertos ao verdadeiro Evangelho que confronta a nossa vida espiritual e moral, para que possamos sempre estar alinhados com o Pai e fazermos a Sua vontade enquanto estivermos neste mundo.

Ao chamar os Seus primeiros discípulos, Jesus não usou de subterfúgios ou meios ardilosos para incentivá-los a aceitar o Seu chamado com o propósito de alcançarem privilégios nesta Terra. Jesus os chama de modo claro e honesto: “Venham comigo, que eu ensinarei vocês a pescar gente.” Jesus não ofereceu prosperidade financeira nem regalias terrenas a eles. Ele não pediu que testassem ou avaliassem os Seus ensinamentos, para depois tomarem a decisão de segui-Lo ou não, mas disse: “Venham comigo”, ou seja, “Venham agora”!

Hoje em dia, digo com muita tristeza que há pessoas inexperientes sendo chamadas por líderes corrompidos, os quais usam de falsa autoridade para as treinarem a cumprirem os seus planos e não os de Deus. Eles treinam essas pessoas com métodos próprios, acerca de como encher a igreja com uma mensagem positiva, cheia de privilégios e prosperidade material e de como levantar muito dinheiro, por meio de suas atuações. Isso é muito triste!

Jesus não fez um apelo, mas deu uma ordem aos quatro primeiros discípulos. Ele não tentou persuadi-los, mas os chamou para uma missão. Jesus deu a eles uma palavra de poder, uma palavra de criação. Quando Jesus disse: “Venham comigo ou venham logo”, algo aconteceu no interior de cada um deles imediatamente, que os transformou! Isso foi um milagre!

Toda vez que leio João 5:1-9, sobre a história da cura do paralítico no tanque de Betesda, eu me impressiono com o poder das palavras de Jesus: “Levante-se, pegue a sua cama e ande!” Esse homem ficou ali por trinta e oito anos e quando Jesus veio até ele, primeiro, lhe falou se queria ser curado. O homem revelou ao Senhor as suas dificuldades e, então, Jesus lhe deu a ordem para levantar, pegar sua cama e andar. Algo aconteceu dentro dele para obedecer ao Senhor.

Portanto, não há diferença entre as palavras de Jesus aos primeiros discípulos com as que Ele deu ao paralítico. Foi uma palavra Divina, cheia do poder do Alto, algo que só Deus pode fazer – um milagre!

2. A resposta humana ao chamado Divino. (vs.18,20)

Após uma chamada radical, nós percebemos uma obediência radical! Para seguir Jesus, eles teriam que abandonar o que eram e o que estavam fazendo.

Eles eram todos pescadores e cuidavam ou davam seguimento aos negócios da família, pois assim como é hoje, era naqueles dias, onde os pais pressionavam seus filhos para fazerem ou continuarem a fazer coisas que davam dinheiro ou que estavam dando certo para eles. Isso é muito natural e lógico!

Sir John Betjeman foi um poeta, escritor e radialista inglês. Foi membro fundador da sociedade vitoriana e um apaixonado defensor da arquitetura vitoriana. Iniciando sua carreira como jornalista, terminou como um dos mais populares poetas laureados britânicos. Seu pai não queria que ele fosse um poeta, pois achava isso um sonho estúpido. Seus pais tentaram persuadi-lo a continuar nos negócios da família, mas ele não tinha vontade de seguir a carreira que seus pais lhe pediam. John fazia parte da quarta geração da família e era forçado ou pressionado a continuar os negócios das gerações passadas, pois isso era mais seguro para ele e para todos. No entanto, ainda jovem, ele recusou seguir aquela carreira e terminou sendo um poeta famoso e muito laureado; além do mais, há um monumento à sua memória na Abadia de Westminster, na Inglaterra.

Não nos esqueçamos de Abraão que, quando chamado por Deus, deixou sua terra e toda a sua parentela na Caldeia, a fim de seguir a voz de Deus. Ele tinha setenta e cinco anos de idade quando recebeu o chamado do Senhor. (cf. Gn.12) Ele deixou tudo para seguir a Deus!

Há pessoas em nosso meio que ainda estão avaliando o chamado de Deus às suas vidas. Elas estão pensando se vale a pena deixarem de ser o que são, para serem o que Deus quer que elas sejam.

O Eterno não está pedindo que abandonem suas carreiras, seu dinheiro, suas famílias, seus bens materiais, mas que sejam desprendidos do orgulho, egoísmo e dos interesses pessoais. Que eles encontrem em Deus o verdadeiro sentido espiritual e moral de suas vidas, para que sejam úteis tanto ao Pai como ao próximo. Que eles pratiquem o Reino de Deus nesta Terra. Que sejam discípulos de Jesus.

O mundo precisa desse tipo de pessoa: daquele que busca o Reino de Deus em primeiro lugar e que confia na provisão Divina, pois essa foi a proposta de Jesus a todos os Seus seguidores.

& Portanto, ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas. (Mt.6:33 NTLH)

Jesus está sempre chamando pessoas, mas estas são pressionadas a ouvirem a mensagem falsa de “felicidade mundana”. Entretanto, o “mundo” (sistema filosófico de vida que se opõe aos princípios e valores da Verdade Divina) sempre coloca o mal, o orgulho, o egoísmo e a ganância em primeiro lugar! Os mundanos não querem dar prazer a Deus nem abençoar o próximo.

A felicidade apresentada pelo mundo se baseia na quantidade de dinheiro, comida, roupas e tudo o que as pessoas que seguem a sua filosofia de vida podem conseguir. A felicidade cristã se baseia no alinhamento com Deus e na vida de obediência a Ele. A sua base verdadeira é Jesus Cristo e, quanto mais Dele tivermos, maior será a nossa alegria, força e segurança!

Portanto, não tem como tentar servir a Deus sem deixarmos o mundo! Jesus disse:

& Um escravo não pode servir a dois donos ao mesmo tempo, pois vai rejeitar um e preferir o outro; ou será fiel a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e também servir ao dinheiro [Mamon - deus das riquezas]. (Mt.6:24 NTLH)

Nós vivemos em um mundo onde o egoísmo é o tema principal da maioria das conversas. Porém, o custo para seguir Jesus é “morrer para si mesmo”. Isso não significa que a pessoa deve fazer planos para ser pobre, pois tanto John Betjeman quanto Abraão, mencionados acima, não se tornaram pobres ou miseráveis. O custo para seguir a Cristo é a luta para não ser dirigido pelo orgulho, o egoísmo e a ganância desenfreada. O custo é seguir a Verdade e não as suposições da mentira.

Consideramos o que a tradição da igreja nos diz sobre esses quatro primeiros discípulos de Jesus:

  • Simão, depois chamado de Pedro, foi crucificado de cabeça para baixo.
  • André foi crucificado na Grécia.
  • Tiago foi decapitado.
  • João foi exilado à Ilha de Patmos.

Mesmo antes da morte e sofrendo grandes e terríveis adversidades, eles nunca abandonaram o chamado que receberam de Jesus! Eles sabiam que o mundo precisava de pessoas como eles, desprendidas do ego e de tantas ilusões passageiras. Eu não sei precisar o que acontecerá a um verdadeiro cristão nos próximos 10 anos, mas sei onde ele estará e o que lhe acontecerá em 10.000 anos!

O mundo oferece muitos prazeres e opções de falsas alegrias ou felicidade, mas aquele que quer seguir a Jesus deve pôr isso tudo de lado para ter prazer Nele!

Imagine que eu os convide para um almoço em um restaurante na cidade. Vocês me esperam e esperam por horas, e eu não chego! Então, me apresento sem fôlego dizendo: “Desculpem-me pelo atraso! O pneu do meu carro furou e quando eu o estava retirando, um caminhão, a 50 km por hora, me acertou e me lançou a uns 10 metros! Doeu muito! O motorista do caminhão fugiu, mas eu me levantei, terminei de colocar o pneu sobressalente e vim correndo para cá, pois o meu compromisso com vocês é muito mais importante do que qualquer dor que estou sentindo!

Qualquer pessoa notaria que eu estaria mentindo, pois se um caminhão me atropela a 50 km por hora e me joga a uns 10 metros de distância, eu teria sérias escoriações, não é verdade? Na realidade, eu não cheguei no horário porque estava cuidando das minhas opções agendadas.

Por que as pessoas não vão a Jesus, deixando, assim, de atender o Seu chamado imediatamente? Porque estão cheias de opções pessoais. Elas dizem: “Ele é amor, é bondoso e me esperará!” No entanto, Jesus está caminhando na nossa linha do tempo e se não dermos atenção ao Seu chamado, pode ser que nunca mais O ouçamos!

O Evangelho de Deus traz a todos nós o “Chamado Divino” para seguirmos a Cristo, e essa convocação Divina é radical, pois o que se espera é uma resposta radical e imediata.

Muitas do que chamamos de conversões, na verdade, são “opções ou avaliações”. As pessoas dizem que se entregam a Deus por meio de Cristo, mas elas não deixam de ser quem são! Elas estão avaliando se tudo dará certo em suas vidas e, caso as coisas não aconteçam como querem e esperam, procurarão outras opções.

A minha esperança é que adquiramos a consciência de que não somos capazes da avaliarmos a mente e os propósitos de Deus para nós. Se de fato ouvimos o chamado Divino e ele veio com poder criativo Divino dentro de nós, que o revelemos ao mundo, pois a ele não pertenceremos mais! Que nós pertençamos a Cristo imediatamente! Que Deus nos abençoe!

ImprimirEmail