O Evangelho de Deus e o Seu Reino - Parte 6: Como e quando eu devo aplicar os princípios do Reino de Deus?

FAÇA DOWNLOAD:

mp3

Marcos 1:14,15

Texto Bíblico:

&  14 Depois que João foi preso, Jesus seguiu para a região da Galiléia e ali anunciava a boa notícia que vem de Deus. 15 Ele dizia: - Chegou a hora, e o Reino de Deus está perto. Arrependam-se dos seus pecados e creiam no evangelho.  (Mc.1:14,15 NTLH)

Em nossa última reunião, nós meditamos sobre os “princípios do Reino de Deus”, as “Bem-Aventuranças”. Aprendemos que elas são apresentadas pelo nosso Senhor Jesus, no início do Seu ministério de ensino, e isso significa que nós somos chamados por Ele para aprendermos sobre a Sua pessoa e missão, pois ao segui-Lo, declaramos que somos Seus discípulos.

Não existe Cristianismo autêntico sem aprendizado e a prática do que aprendemos. Muitos, ao olharem para as “Bem-Aventuranças”, têm uma ideia errada sobre esses princípios (fundamento de vida), pois pensam que precisam a cada dia se aperfeiçoarem em cada uma delas. Porém, eu não penso assim.

As “Bem-Aventuranças” não são um conjunto de regras religiosas, mas um conjunto de princípios que devem ser praticados ao mesmo tempo e não em separados. Esses princípios devem ser aplicados em todas as situações de nossas vidas.

Na semana passada, eu as dividi em quatro blocos.

  1. Como entrar no Reino de Deus. (Mt.5:3)
  2. Como eu me mantenho em comunhão com Deus no Seu Reino. (Mt.5:4-6)
  3. Como eu devo servir a Deus no Seu Reino. (Mt.5:7-9)
  4. Como eu devo enfrentar as adversidades e me manter no Seu Reino. (Mt.5:10-12)

A prática dos princípios do Reino dos Céus é a maneira que nos leva a negarmos o nosso “eu”, ou seja, a negarmos a nós mesmos. Certa vez, Jesus disse:

& E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim. (Mt.10:38 NTLH)

Muitos pensam que “tomar a cruz” se refere a conviver com um determinado problema, seja ele circunstancial ou pessoal. No entanto, nós precisamos compreender melhor essa expressão, a partir do próprio exemplo de Jesus.

Ao carregar a cruz, Jesus estava servindo tanto a Deus como aos que creriam Nele. Era a vontade do Pai Eterno, oferecer o Seu Único Filho a todos os que Nele creem. (cf. Jo.3:16; Rm.5:8) Então, a cruz representa a obediência que agrada a Deus e abençoa o próximo.

Portanto, quando “tomamos a nossa cruz”, significa que estamos obedecendo a uma ordem, princípio ou verdade Divina, a fim de abençoarmos o nosso próximo. Eu disse na semana passada que a prática do Reino de Deus rebaixa o “eu”, ou o orgulho e o egoísmo humano.

Os princípios do Reino de Deus na experiência do apóstolo Paulo.

(2 Coríntios 12:7-10)

Vamos olhar para o exemplo de Paulo que, para não ficar orgulhoso demais com as revelações que havia recebido de Deus, recebeu um “espinho na carne” – uma doença física.

Ele não estava suportando aquela enfermidade e estava tendo dificuldades humanas para lidar com aquela situação. Então, orou três vezes ao Senhor para o libertasse daquele terrível desconforto, mas o que o Senhor lhe disse e como ele reagiu à resposta Divina?

& 9 (...) [Jesus diz a Paulo] A minha graça é tudo o que você precisa, pois o meu poder é mais forte quando você está fraco. [a resposta de Paulo] (2 Co.12:9 NTLH)

Veremos que a atitude de Paulo demonstra claramente que ele tomou a sua cruz, por meio dos princípios e a prática dos princípios do Reino, ensinados por Jesus em Mateus 5!

Diante da sua incapacidade humana, Paulo recorre diretamente a Deus.

Como já mencionado, o apóstolo não estava sabendo como lidar com aquela situação, e o que fez? Buscou a Deus (cf. Mt.5:3) e apresentou a sua necessidade.

& Três vezes orei ao Senhor, pedindo que ele me tirasse esse sofrimento. (2 Co.12:8 NTLH)

A sua busca foi sincera e honesta ao Pai. No entanto, a resposta de Deus não foi a que ele gostaria que fosse, mas no texto nós percebemos que Paulo está desfrutando do Reino, pois Deus está falando com ele!

Paulo reconheceu a sua fragilidade espiritual e moral.

Paulo lamentou a sua tendência para o orgulho (cf. Mt.5:4):

& Mas, para que não ficasse orgulhoso demais por causa das coisas maravilhosas que vi, eu recebi uma doença dolorosa, que é como um espinho no meu corpo. Ela veio como um mensageiro de Satanás para me dar bofetadas e impedir que eu ficasse orgulhoso. (2 Co.12:7 NTLH)

Paulo se rende a Deus e demonstra desejo para fazer a Sua vontade.

A seguir, nós podemos ver a sua rendição a Deus (cf. Mt.5:5) e o seu desejo de fazer e viver dentro da Sua vontade (cf. Mt.5:6), mesmo sofrendo.

& Mas ele me respondeu: “A minha graça é tudo o que você precisa, pois o meu poder é mais forte quando você está fraco.” Portanto, eu me sinto muito feliz em me gabar das minhas fraquezas, para que assim a proteção do poder de Cristo esteja comigo. (2 Co.12:9 NTLH)

O que nós vimos até agora na experiência de Paulo? O seu desejo de estar na presença de Deus e obter a Sua direção e governo. O seu reconhecimento da sua fragilidade espiritual e moral. A sua humildade ao render-se à vontade de Deus. O seu desejo de fazer e viver dentro da vontade do Pai. Portanto, em resumo, Paulo queria manter uma vida de comunhão e harmonia com Deus.

Como resultado da sua atitude, Paulo recebe o Reino, ou seja, toda a direção e ajuda dos Céus, recebe ajuda Divina para enfrentar o seu momento e a capacidade para entregar as suas reivindicações nas mãos do Pai e, além do mais, o seu ser interior se encheu com uma tremenda satisfação, prazer ou felicidade, por ter conhecido os planos de Deus para a sua vida.

No entanto, nós podemos ir um pouco mais longe! Paulo está ensinando os cristãos de Corinto, por meio da sua carta, mesmo em meio à dor e sofrimento, porém, alegre no Senhor. Então, ele se preocupou com a sua vida com Deus e também está se preocupando com o seu próximo. Ele está carregando a sua cruz! Paulo está negando a si mesmo!

Paulo foi misericordioso.

Os cristãos de Corinto eram muito orgulhosos, pois como sabemos, os melhores líderes da Igreja Cristã estiveram entre eles. Além do mais, eles estavam desprezando o velho apóstolo e se vangloriando de falsos mestres. Eles estavam agindo erroneamente, tanto espiritual como moralmente falando, e Paulo está dando àqueles cristãos uma lição sublime de vida cristã, submissa e obediente a Deus, a qual eles precisavam aprender. Paulo está sendo misericordioso.  (cf. Mt.5:7)

Paulo agiu com pureza.

Paulo não está escondendo o trabalho de Deus na sua vida e, portanto, ele está procurando mostrar que o Eterno é Soberano e precisa tanto ser respeitado como obedecido. Existe pureza na sua ação e não orgulho ou egoísmo. (cf. Mt.5:8)

Paulo foi pacificador.

Além do mais, o apóstolo sofredor está procurando estabelecer um princípio da Verdade: os verdadeiros filhos de Deus são aqueles que aceitam os Seus termos ou condições e, portanto, serão reconhecidos por Ele como tais. (cf. Mt.5:9) Os cristãos de Corinto precisavam aprender a viver sob os princípios ou caminhos do Evangelho da Verdade, o qual foi ensinado por Jesus, a fim de serem reconhecidos por Deus como Seus filhos e terem uma vida em paz com o Senhor Eterno.

Paulo aceitou períodos de insultos, sofrimentos e o desprezo com alegria em Deus, por causa de Cristo.

& Eu me alegro também com as fraquezas, os insultos, os sofrimentos, as perseguições e as dificuldades pelos quais passo por causa de Cristo. Porque, quando perco toda a minha força, então tenho a força de Cristo em mim. (2 Co.12:10 NTLH)

Paulo ensina sobre o que é colocar verdadeiramente a vida nas mãos de Deus e não como muitos dizem e fazem de modo leviano ou inconstante. Paulo está dando àqueles cristãos e a todos nós um exemplo de vida a ser seguido!

Ele não está dizendo que devemos aceitar os infortúnios cegamente, mas que, ao nos depararmos com eles, nós devemos buscar a Deus e seguir os Seus conselhos. Nem sempre Deus fará o que esperamos, então, temos que aprender a “morrer para nós mesmos”, a fim de termos “a vida verdadeira” que agirá em nós. Jesus disse:

& Quem procura os seus próprios interesses nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo, porque é meu seguidor, terá a vida verdadeira. (Mt.10:39 NTLH)

Isso é viver pela fé! A fé não é somente um meio para se obter as bênçãos materiais de Deus, mas, antes de tudo, ela quer dizer tanto fidelidade como obediência.

Investigue na Bíblia sobre os “heróis da fé” e veja como os princípios do Reino dos Céus estavam presentes nas suas ações. Por isso, eles foram abençoados por Deus, tanto aqui na Terra como na eternidade!

Os princípios do Reino devem ser aplicados tanto nos momentos alegres como nas situações adversas, pois, enquanto fazemos a nossa parte, Deus fará a Dele! A nossa parte é manter a nossa comunhão com Deus e abençoar o nosso próximo, pois essa atitude está de acordo com o Grande Mandamento dado por Jesus. (cf. Mt.22:37-40)

Portanto, todo cristão verdadeiro e comprometido com o Reino de Deus sabe que não deve viver mais somente pensando em si mesmo. Em cada situação, seja ela agradável ou não, ele se esforçará para glorificar a Deus e revelá-Lo ao próximo. Jesus disse:

& A conduta de vocês entre os pagãos deve ser boa [espiritual e moralmente útil], para que, quando eles os acusarem de criminosos, tenham de reconhecer que vocês praticam boas ações [a vontade de Deus], e assim louvem a Deus no dia da sua vinda. (1 Pe.2:12 NTLH)

Na próxima semana, se Deus permitir, meditarei com vocês um pouco mais acerca dos “princípios do Reino de Deus”, porém, sobre o que mais eles produzem em nossas vidas ao colocá-los em prática. Minha esperança é que Deus esteja impactando nossas vidas, por meio dessas meditações. Que o Todo-Poderoso e Eterno nos abençoe!

ImprimirEmail